Sociedade
Reclamação

Vendedoras irritadas com a falta de água no mercado

Vendedoras irritadas com a falta de água no mercado
Foto por:
vídeo por:
DR

A falta de água corrente e a existência de apenas uma casa de banho no Mercado Municipal de Cacuaco, em Luanda, está a deixar muitas vendedoras irritadas, sobretudo as que se dedicam ao comércio de comida e de bebida, por estar a dificultar o seu trabalho diário.

As vendedoras, como alternativa, têm recorrido à água que jorra numa mangueira proveniente de uma casa de banho da administração do mercado, pagando 50 kwanzas por cada bidão de 20 litros. “O mais grave é que não sabemos se a água que sai nessa mangueira é mesmo potável”, acentuou uma delas.

Quando o líquido falha neste canal, as vendedoras são obrigadas, na maioria das vezes, a recorrer a jovens que cobram 500 kwanzas para fornecer o líquido.

A vendedora Maria Imaculada Tael, mais conhecida por “Tia Chinha”, disse, citada pelo Jornal de Angola, que uma outra situação com a qual se debatem tem a ver com a existência de uma única casa de banho no mercado.

No entender da vendedora, uma casa de banho não é suficiente, a julgar pelo número de vendedores que ali desenvolve actividade comercial. Tia Chinha contou que para fazerem uso da mesma, cujas condições higiénicas deixam a desejar, têm de pagar 50 kwanzas. Às vezes, quando não conseguem comprar o líquido, usam mesmo a água do mar para colocar na sanita.

Elas também reclamam do preço que pagam para o consumo de energia. Para as quitandeiras, mil kwanzas é um valor muito alto. “A administração devia rever isso porque nem sempre temos este dinheiro”, reivindicou uma delas. Saturadas com a situação, as vendedoras pedem à Administração do Mercado Municipal de Cacuaco que encontre uma solução para esses problemas, porque,  segundo elas, já levam muito tempo.

Contactada pelo Jornal de Angola, a administradora do Mercado Municipal de Cacuaco, Nérika Ferraz, admitiu a existência dos problemas levantados pelas vendedoras, tendo argumentado que a falta de água corrente deve-se a um trabalho que a Empresa de Água de Luanda (EPAL) está a levar a cabo em toda a Vila do município.

A responsável disse que o referido trabalho consiste na troca da conduta antiga por uma nova. Depois de terminar essa empreitada, prosseguiu, a EPAL vai chegar ao mercado para colocar torneiras em cada sector da praça e não em cada barraca, como defendem as utentes, devido a factores financeiros.

Em relação à existência de apenas uma casa de banho no mercado, Nérika Ferraz disse que não se construiu mais, porque quando se projectou o antigo mercado, as barracas não existiam, razão pela qual não se deixou espaço para construção de casas de banho para cada uma delas, conforme pedem as vendedoras.

6galeria

Redacção

A falta de água corrente e a existência de apenas uma casa de banho no Mercado Municipal de Cacuaco, em Luanda, está a deixar muitas vendedoras irritadas, sobretudo as que se dedicam ao comércio de comida e de bebida, por estar a dificultar o seu trabalho diário.

As vendedoras, como alternativa, têm recorrido à água que jorra numa mangueira proveniente de uma casa de banho da administração do mercado, pagando 50 kwanzas por cada bidão de 20 litros. “O mais grave é que não sabemos se a água que sai nessa mangueira é mesmo potável”, acentuou uma delas.

Quando o líquido falha neste canal, as vendedoras são obrigadas, na maioria das vezes, a recorrer a jovens que cobram 500 kwanzas para fornecer o líquido.

A vendedora Maria Imaculada Tael, mais conhecida por “Tia Chinha”, disse, citada pelo Jornal de Angola, que uma outra situação com a qual se debatem tem a ver com a existência de uma única casa de banho no mercado.

No entender da vendedora, uma casa de banho não é suficiente, a julgar pelo número de vendedores que ali desenvolve actividade comercial. Tia Chinha contou que para fazerem uso da mesma, cujas condições higiénicas deixam a desejar, têm de pagar 50 kwanzas. Às vezes, quando não conseguem comprar o líquido, usam mesmo a água do mar para colocar na sanita.

Elas também reclamam do preço que pagam para o consumo de energia. Para as quitandeiras, mil kwanzas é um valor muito alto. “A administração devia rever isso porque nem sempre temos este dinheiro”, reivindicou uma delas. Saturadas com a situação, as vendedoras pedem à Administração do Mercado Municipal de Cacuaco que encontre uma solução para esses problemas, porque,  segundo elas, já levam muito tempo.

Contactada pelo Jornal de Angola, a administradora do Mercado Municipal de Cacuaco, Nérika Ferraz, admitiu a existência dos problemas levantados pelas vendedoras, tendo argumentado que a falta de água corrente deve-se a um trabalho que a Empresa de Água de Luanda (EPAL) está a levar a cabo em toda a Vila do município.

A responsável disse que o referido trabalho consiste na troca da conduta antiga por uma nova. Depois de terminar essa empreitada, prosseguiu, a EPAL vai chegar ao mercado para colocar torneiras em cada sector da praça e não em cada barraca, como defendem as utentes, devido a factores financeiros.

Em relação à existência de apenas uma casa de banho no mercado, Nérika Ferraz disse que não se construiu mais, porque quando se projectou o antigo mercado, as barracas não existiam, razão pela qual não se deixou espaço para construção de casas de banho para cada uma delas, conforme pedem as vendedoras.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form