Actualidade
Direitos Humanos

Relatório dos Estados Unidos observa tortura, prisões arbitrárias, impunidade e corrupção contínuas em Angola

Relatório dos Estados Unidos observa tortura, prisões arbitrárias, impunidade e corrupção contínuas em Angola
Foto por:
vídeo por:
DR

Privação da vida e tortura pelas forças de segurança ou prisões arbitrárias continuam a ser violações detectadas aos Direitos Humanos em Angola, segundo os Estados Unidos, que destacam igualmente a impunidade e corrupção no país.

No relatório sobre a situação dos Direitos Humanos em 2017, divulgado hoje pelo Departamento de Estado norte-americano, é referido que em Angola, entre as "formas de punição cruéis", continuam a constar casos de tortura e espancamento, em que alguns terminam mesmo em morte, por vezes levadas a cabo pelas autoridades.

Limites à liberdade de reunião, associação e imprensa continuam a verificar-se em Angola, de acordo com o mesmo relatório, bem como uma forma de "corrupção oficial" e de "impunidade", juntamente com, até agora, uma "falta de responsabilização" e condenações efectivas, em tribunal, para casos de violações sexuais e outras formas de violência contra mulheres e crianças. 

 Segundo o portal Notícias ao Minuto, o documento assinala igualmente que o Governo "tomou algumas medidas" para "processar ou punir funcionários que cometeram abusos", no entanto, ainda com níveis "fracos" de responsabilização, devido à "falta de capacidade institucional" e à "cultura de impunidade e corrupção generalizada do Governo", e analisa, por outro lado, que o ano de 2017, que em Angola ficou marcado pela transição no poder, com a saída de José Eduardo dos Santos, após 38 anos como chefe de Estado, e chegada à liderança de João Lourenço, "embora a lei preveja penalizações criminais por corrupção" para funcionários do Estado, "o Governo não implementou essas leis de forma eficaz", continuando a ser habituais os relatos de "práticas corruptas" e "com impunidade".

Acrescenta mesmo que a corrupção no Governo é "generalizada", a "todos os níveis", com uma prestação de contas "limitada". Processos públicos de casos de corrupção foram "raros sob o Governo [de José Eduardo] dos Santos", ao mesmo tempo que assinala que o Presidente João Lourenço, na sua tomada de posse, em Setembro, anunciou a intenção de combater a corrupção no Governo. "Como em anos anteriores, houve relatórios credíveis em que funcionários do Governo usaram as suas posições políticas para beneficiar com negócios. O ambiente de negócios continuou a favorecer aqueles que estão ligados ao Governo, incluindo membros da família do Presidente", observa ainda o relatório, que também admite que a corrupção é transversal, verificando-se, em pequena escala, com polícias, guardas prisionais e até professores.

“Ministros e outros altos funcionários do Estado possuíam, em 2017, "interesses em empresas públicas e privadas", regulamentadas por, ou fazendo negócios, com seus respectivos ministérios: existem leis e regulamentos relativos a conflitos de interesses, mas eles não foram cumpridos", lê-se no documento, que finaliza que "o partido MPLA, no poder, domina todas as instituições políticas”.

6galeria

Pedro Kididi

Jornalista

Privação da vida e tortura pelas forças de segurança ou prisões arbitrárias continuam a ser violações detectadas aos Direitos Humanos em Angola, segundo os Estados Unidos, que destacam igualmente a impunidade e corrupção no país.

No relatório sobre a situação dos Direitos Humanos em 2017, divulgado hoje pelo Departamento de Estado norte-americano, é referido que em Angola, entre as "formas de punição cruéis", continuam a constar casos de tortura e espancamento, em que alguns terminam mesmo em morte, por vezes levadas a cabo pelas autoridades.

Limites à liberdade de reunião, associação e imprensa continuam a verificar-se em Angola, de acordo com o mesmo relatório, bem como uma forma de "corrupção oficial" e de "impunidade", juntamente com, até agora, uma "falta de responsabilização" e condenações efectivas, em tribunal, para casos de violações sexuais e outras formas de violência contra mulheres e crianças. 

 Segundo o portal Notícias ao Minuto, o documento assinala igualmente que o Governo "tomou algumas medidas" para "processar ou punir funcionários que cometeram abusos", no entanto, ainda com níveis "fracos" de responsabilização, devido à "falta de capacidade institucional" e à "cultura de impunidade e corrupção generalizada do Governo", e analisa, por outro lado, que o ano de 2017, que em Angola ficou marcado pela transição no poder, com a saída de José Eduardo dos Santos, após 38 anos como chefe de Estado, e chegada à liderança de João Lourenço, "embora a lei preveja penalizações criminais por corrupção" para funcionários do Estado, "o Governo não implementou essas leis de forma eficaz", continuando a ser habituais os relatos de "práticas corruptas" e "com impunidade".

Acrescenta mesmo que a corrupção no Governo é "generalizada", a "todos os níveis", com uma prestação de contas "limitada". Processos públicos de casos de corrupção foram "raros sob o Governo [de José Eduardo] dos Santos", ao mesmo tempo que assinala que o Presidente João Lourenço, na sua tomada de posse, em Setembro, anunciou a intenção de combater a corrupção no Governo. "Como em anos anteriores, houve relatórios credíveis em que funcionários do Governo usaram as suas posições políticas para beneficiar com negócios. O ambiente de negócios continuou a favorecer aqueles que estão ligados ao Governo, incluindo membros da família do Presidente", observa ainda o relatório, que também admite que a corrupção é transversal, verificando-se, em pequena escala, com polícias, guardas prisionais e até professores.

“Ministros e outros altos funcionários do Estado possuíam, em 2017, "interesses em empresas públicas e privadas", regulamentadas por, ou fazendo negócios, com seus respectivos ministérios: existem leis e regulamentos relativos a conflitos de interesses, mas eles não foram cumpridos", lê-se no documento, que finaliza que "o partido MPLA, no poder, domina todas as instituições políticas”.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form