Sociedade
Tráfico

Estrangeiros expulsos por garimpo de diamantes e imigração ilegal

Estrangeiros expulsos por garimpo de diamantes e imigração ilegal
Foto por:
vídeo por:
DR

O Executivo  comprometeu-se a combater a imigração ilegal, exploração e tráfico ilícito de diamantes pelo menos até 2020, através da “Operação Transparência”, assumida pelos órgãos de segurança e ordem interna, disse o governador da Lunda-Norte.

Ernesto Muangala precisou que se vão encerrar as casas de vendas de diamantes e prender os seus mentores, assim como expulsar imigrantes ilegais "endémicos" nas províncias da Lunda- Norte, Lunda-Sul, Cuando Cubango, Moxico, Malanje, Uíge e Bié.

O governador justificou a realização da operação, que já prendeu mais de 200 mil imigrantes estrangeiros ilegais, com a necessidade de se reorganizar a exploração semi-industrial de diamantes no país.

Depois de se reorganizar a exploração semi-industrial, “cujos prejuízos são intangíveis até ao momento”, acrescentou Ernesto Muangala, o Governo passará o processo aos angolanos para diminuir o desemprego na província, estimado em cerca de 50 mil pessoas, maioritariamente jovens.

Até agora, o processo levou ao encerramento de mais de 100 casas de comercialização ilegal de diamantes na Lunda-Norte, nos municípios do Lucapa, Cuango, Cangulo e Xá Muteba, 200 mil imigrantes ilegais deixaram voluntariamente o país, enquanto sete mil foram repatriados, maioritariamente para a RDC, e, com menor expressão, para a República do Congo, Mali, Eritreia e Mauritânia. Os meios apreendidos durante a “Operação Transparência” serão penhorados pelo Estado angolano, com excepção dos que se provem legais. Enquanto durar o processo de reposição da ordem no sector da extracção artesanal dos diamantes, dominado por congoleses oriundos da RDC, o Governo Provincial cessa a cedência de licenças quando, até ao final de 2017, tinham sido emitidas cerca de uma centena, noticiou o Jornal de Angola.

Entre o início da operação, a 25 de Setembro, até 4 deste mês, foram recuperados três mil diamantes de vários quilates, 80 mil dólares e 2,5 milhões de kwanzas, além da apreensão de 150 viaturas de diversas marcas usadas nas áreas de garimpo.

6galeria

Redacção

O Executivo  comprometeu-se a combater a imigração ilegal, exploração e tráfico ilícito de diamantes pelo menos até 2020, através da “Operação Transparência”, assumida pelos órgãos de segurança e ordem interna, disse o governador da Lunda-Norte.

Ernesto Muangala precisou que se vão encerrar as casas de vendas de diamantes e prender os seus mentores, assim como expulsar imigrantes ilegais "endémicos" nas províncias da Lunda- Norte, Lunda-Sul, Cuando Cubango, Moxico, Malanje, Uíge e Bié.

O governador justificou a realização da operação, que já prendeu mais de 200 mil imigrantes estrangeiros ilegais, com a necessidade de se reorganizar a exploração semi-industrial de diamantes no país.

Depois de se reorganizar a exploração semi-industrial, “cujos prejuízos são intangíveis até ao momento”, acrescentou Ernesto Muangala, o Governo passará o processo aos angolanos para diminuir o desemprego na província, estimado em cerca de 50 mil pessoas, maioritariamente jovens.

Até agora, o processo levou ao encerramento de mais de 100 casas de comercialização ilegal de diamantes na Lunda-Norte, nos municípios do Lucapa, Cuango, Cangulo e Xá Muteba, 200 mil imigrantes ilegais deixaram voluntariamente o país, enquanto sete mil foram repatriados, maioritariamente para a RDC, e, com menor expressão, para a República do Congo, Mali, Eritreia e Mauritânia. Os meios apreendidos durante a “Operação Transparência” serão penhorados pelo Estado angolano, com excepção dos que se provem legais. Enquanto durar o processo de reposição da ordem no sector da extracção artesanal dos diamantes, dominado por congoleses oriundos da RDC, o Governo Provincial cessa a cedência de licenças quando, até ao final de 2017, tinham sido emitidas cerca de uma centena, noticiou o Jornal de Angola.

Entre o início da operação, a 25 de Setembro, até 4 deste mês, foram recuperados três mil diamantes de vários quilates, 80 mil dólares e 2,5 milhões de kwanzas, além da apreensão de 150 viaturas de diversas marcas usadas nas áreas de garimpo.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form