Showbiz
Música

Duo Canhoto revisita memória do Conjunto Nzaji

Duo Canhoto revisita memória do Conjunto Nzaji
Foto por:
vídeo por:
DR

O Duo Canhoto, que é um dos marcos da canção de intervenção depois da independência, interpretará as canções do Conjunto Njazi, uma das principais referências da canção revolucionária durante a luta de libertação anti-colonial.

Para esta homenagem, Antero Ekuikui e Guilherme Maurício darão vozes às canções “Kaputu”, “Ufolo”, “Dituminu”, “Etu tuá anangola”, “Monangambé”, “Dr. Neto”, “Deba”, “Monetu uá kassule, e “M.P.L.A in nvuluzi”. 

O Duo será acompanhado pelos instrumentistas Teddy N´singui (guitarra solo), Dalú Roger (percussão), Mias Galheta (guitarra baixo), e Juju Lutoma (teclado). Nzaji, nome em Kimbundu que significa faísca, foi baptizado por Pedro de Castro Van-Duném “Loy”, segundo Maria Mambo Café, acrescenta a nota enviada ao ONgoma. 

Essa é a terceira actuação do grupo na Trienal, sendo que a primeira aconteceu na cerimónia de abertura do Palácio de Ferro a 16 de Janeiro de 2016 e no Festival ZWA.

O Conjunto Nzaji surgiu em 1964, na Cidade de Moscovo, durante o período de luta contra o colonialismo português. Liderado por José Eduardo dos Santos “Joes” (composição, voz e guitarra), Brito Sózinho (voz e composição), Pedro de Castro Van-Dúnem “Loy” (voz e composição), Mário Santiago (guitarra), Faísca (guitarra), Fernando Castro Paiva (ngoma) e Fernando Assis (piano), como vocalistas Maria Mambo Café, Ana Wilson, Amélia Mingas e Biguá.

A formação conquista os guerrilheiros e nacionalistas, pela divulgação das canções de forte teor revolucionário no Programa Angola Combatente. De salientar que este grupo vem na sequência dos "Kimbambas do Ritmo", criado em 1959 e a sua primeira designação "Derrepente". O disco inicialmente gravado e lançado em 1964 na então URSS foi reeditado em 1988 com o título “Destinos” pela “Makinu”, editora afecta ao músico Teta Lando.

Por sua vez, o Duo Canhoto, constituído por Antero Ekuikui e Guilherme Maurício teve a sua origem na brigada artística das extintas TGFA (Tropas de Guarda Fronteiras de Angola) denominada “26 de Agosto”.

6galeria

Andrade Lino

O Duo Canhoto, que é um dos marcos da canção de intervenção depois da independência, interpretará as canções do Conjunto Njazi, uma das principais referências da canção revolucionária durante a luta de libertação anti-colonial.

Para esta homenagem, Antero Ekuikui e Guilherme Maurício darão vozes às canções “Kaputu”, “Ufolo”, “Dituminu”, “Etu tuá anangola”, “Monangambé”, “Dr. Neto”, “Deba”, “Monetu uá kassule, e “M.P.L.A in nvuluzi”. 

O Duo será acompanhado pelos instrumentistas Teddy N´singui (guitarra solo), Dalú Roger (percussão), Mias Galheta (guitarra baixo), e Juju Lutoma (teclado). Nzaji, nome em Kimbundu que significa faísca, foi baptizado por Pedro de Castro Van-Duném “Loy”, segundo Maria Mambo Café, acrescenta a nota enviada ao ONgoma. 

Essa é a terceira actuação do grupo na Trienal, sendo que a primeira aconteceu na cerimónia de abertura do Palácio de Ferro a 16 de Janeiro de 2016 e no Festival ZWA.

O Conjunto Nzaji surgiu em 1964, na Cidade de Moscovo, durante o período de luta contra o colonialismo português. Liderado por José Eduardo dos Santos “Joes” (composição, voz e guitarra), Brito Sózinho (voz e composição), Pedro de Castro Van-Dúnem “Loy” (voz e composição), Mário Santiago (guitarra), Faísca (guitarra), Fernando Castro Paiva (ngoma) e Fernando Assis (piano), como vocalistas Maria Mambo Café, Ana Wilson, Amélia Mingas e Biguá.

A formação conquista os guerrilheiros e nacionalistas, pela divulgação das canções de forte teor revolucionário no Programa Angola Combatente. De salientar que este grupo vem na sequência dos "Kimbambas do Ritmo", criado em 1959 e a sua primeira designação "Derrepente". O disco inicialmente gravado e lançado em 1964 na então URSS foi reeditado em 1988 com o título “Destinos” pela “Makinu”, editora afecta ao músico Teta Lando.

Por sua vez, o Duo Canhoto, constituído por Antero Ekuikui e Guilherme Maurício teve a sua origem na brigada artística das extintas TGFA (Tropas de Guarda Fronteiras de Angola) denominada “26 de Agosto”.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form