Desporto
Futebol

Desilusão

Desilusão
Foto por:
vídeo por:
DR

Postura desgarrada, futebol sem ligação entre os sectores e falta de sentido ofensivo foram os ingredientes do cozinhado fatal, que ditou a derrota (0-2) do 1º de Agosto, frente ao AS Otohô do Congo, ontem no Estádio Marien Ngouabi, na localidade de Owando, e a consequente eliminação da corrida à fase de grupos da Liga dos Campeões.

A visibilidade criada com a campanha de sucesso na edição passada da prova, marcada pela presença nas meias-finais, foi insuficiente para intimidar a formação congolesa, cujo êxito na eliminatória começou a ser definido em pleno Estádio Nacional 11 de Novembro, depois dos dois golos que deixaram os militares atordoados.

Sob o comando do bósnio Dragan Jovic, regressado ao clube para substituir o sucessor Zoran Maki, os tri-campeões do Girabola foram a completa negação da equipa que prometia repetir o brilharete africano. A julgar pelo dimensionamento do patamar competitivo do clube, a eliminação representa o fracasso dos objectivos, noticiou o Jornal de Angola.

Sem que tenha defrontado um adversário superior, o 1º de Agosto fica pelo caminho por revelar incapacidade de abordar a eliminatória com a postura exigida a um semifinalista. Sempre distantes do jogo, os rubros e negros, que não conseguiram trocar três passes, simplificaram a tarefa ao Otohô.

A toada de pontapé para frente e fé em Deus correu de feição para o representante congolês, determinado, desde o desafio de Luanda, em deixar cair com estrondo um adversário referenciado no continente. E conseguiu, porque a equipa de Jovic foi apenas um grupo de jogadores com camisolas do clube.

6galeria

Redacção

Postura desgarrada, futebol sem ligação entre os sectores e falta de sentido ofensivo foram os ingredientes do cozinhado fatal, que ditou a derrota (0-2) do 1º de Agosto, frente ao AS Otohô do Congo, ontem no Estádio Marien Ngouabi, na localidade de Owando, e a consequente eliminação da corrida à fase de grupos da Liga dos Campeões.

A visibilidade criada com a campanha de sucesso na edição passada da prova, marcada pela presença nas meias-finais, foi insuficiente para intimidar a formação congolesa, cujo êxito na eliminatória começou a ser definido em pleno Estádio Nacional 11 de Novembro, depois dos dois golos que deixaram os militares atordoados.

Sob o comando do bósnio Dragan Jovic, regressado ao clube para substituir o sucessor Zoran Maki, os tri-campeões do Girabola foram a completa negação da equipa que prometia repetir o brilharete africano. A julgar pelo dimensionamento do patamar competitivo do clube, a eliminação representa o fracasso dos objectivos, noticiou o Jornal de Angola.

Sem que tenha defrontado um adversário superior, o 1º de Agosto fica pelo caminho por revelar incapacidade de abordar a eliminatória com a postura exigida a um semifinalista. Sempre distantes do jogo, os rubros e negros, que não conseguiram trocar três passes, simplificaram a tarefa ao Otohô.

A toada de pontapé para frente e fé em Deus correu de feição para o representante congolês, determinado, desde o desafio de Luanda, em deixar cair com estrondo um adversário referenciado no continente. E conseguiu, porque a equipa de Jovic foi apenas um grupo de jogadores com camisolas do clube.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form