Sociedade
Estudo

57% de crianças não têm documentos

57% de crianças não têm documentos
Foto por:
vídeo por:
DR

Cinquenta e sete por cento das crianças das zonas rurais de 15 municípios das províncias de Luanda, Uíge, Benguela, Huambo e Huíla não possuem registo de nascimento, informou a coordenadora do Gabinete de Comunicação do Mosaiko - Instituto para Cidadania.

Verónica Pereira, que fazia o balanço de um estudo realizado nas referidas províncias, desde 2019, acrescentou que, apesar do baixo número de crianças registadas, os pais começam a perceber a importância de efectuar o registo dos filhos e os constrangimentos causados pela ausência deste documento, que permite a obtenção do Bilhete de Identidade, que ajuda a facilitar o acesso à escola e ao emprego.

Disse ainda que o relatório sobre "Equidade de género e políticas públicas - Angola é com mulheres e homens", publicado pelo Instituto para Cidadania, dá conta que nas zonas rurais de 15 municípios das províncias de Luanda, Uíge, Benguela, Huambo e Huíla existem pais e jovens que não possuem qualquer documento.

O estudo, referiu, analisou vários factores, incluindo o género, e aponta que as mulheres apenas têm acesso a lavras por intermédio dos homens da família e, caso fiquem viúvas, perdem as suas terras a favor da família do falecido.

De acordo com Verónica Pereira, o estudo demonstra que há maior taxa de abandono escolar entre raparigas, a partir dos 15 anos, devido à gravidez precoce, encargos e responsabilidades domésticas, o que tem repercussões no acesso ao emprego formal, autonomia de decisão sobre diferentes questões e participação activa na vida social.

Além disso, apontou que o desequilíbrio de género mais acentuado localiza-se nas zonas rurais, pois "embora os dados mostrem pouca resistência à educação de raparigas em qualquer um dos 15 municípios, os rapazes continuam a ter prioridade, por razões sociais e económicas", lê-se no Jornal de Angola.

6galeria

Redacção

Cinquenta e sete por cento das crianças das zonas rurais de 15 municípios das províncias de Luanda, Uíge, Benguela, Huambo e Huíla não possuem registo de nascimento, informou a coordenadora do Gabinete de Comunicação do Mosaiko - Instituto para Cidadania.

Verónica Pereira, que fazia o balanço de um estudo realizado nas referidas províncias, desde 2019, acrescentou que, apesar do baixo número de crianças registadas, os pais começam a perceber a importância de efectuar o registo dos filhos e os constrangimentos causados pela ausência deste documento, que permite a obtenção do Bilhete de Identidade, que ajuda a facilitar o acesso à escola e ao emprego.

Disse ainda que o relatório sobre "Equidade de género e políticas públicas - Angola é com mulheres e homens", publicado pelo Instituto para Cidadania, dá conta que nas zonas rurais de 15 municípios das províncias de Luanda, Uíge, Benguela, Huambo e Huíla existem pais e jovens que não possuem qualquer documento.

O estudo, referiu, analisou vários factores, incluindo o género, e aponta que as mulheres apenas têm acesso a lavras por intermédio dos homens da família e, caso fiquem viúvas, perdem as suas terras a favor da família do falecido.

De acordo com Verónica Pereira, o estudo demonstra que há maior taxa de abandono escolar entre raparigas, a partir dos 15 anos, devido à gravidez precoce, encargos e responsabilidades domésticas, o que tem repercussões no acesso ao emprego formal, autonomia de decisão sobre diferentes questões e participação activa na vida social.

Além disso, apontou que o desequilíbrio de género mais acentuado localiza-se nas zonas rurais, pois "embora os dados mostrem pouca resistência à educação de raparigas em qualquer um dos 15 municípios, os rapazes continuam a ter prioridade, por razões sociais e económicas", lê-se no Jornal de Angola.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form