Actualidade
Política

Zahira Virani afirma ser importante dar resposta aos desafios da saúde de forma planeada

Zahira Virani afirma ser importante dar resposta aos desafios da saúde de forma planeada
Foto por:
vídeo por:
DR

A coordenadora residente do Sistema das Nações Unidas em Angola, Zahira Virani, afirmou que é importante dar resposta aos desafios da saúde de forma planeada, inclusiva e duradoura, acrescentando que isso deverá resultar dum esforço conjunto entre o Governo, a OMS, as organizações do sector privado e todos os parceiros da Saúde.

A responsável fez estas declarações, ontem, por ocasião do lançamento do processo de elaboração da Estratégia de Cooperação da OMS com Angola para o período 2022 a 2026, visando fortalecer sinergias e definir as linhas orientadoras que vão contribuir para a melhoria da saúde em Angola.

A Estratégia de Cooperação (ECP) representa a visão estratégica da OMS a médio prazo e deverá incorporar os desafios antigos e novos, e estar alinhada às prioridades do país definidas no Plano Nacional de Desenvolvimento Sanitário (PNDS), nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e em outros documentos estratégicos, bem como em compromissos nacionais, regionais e internacionais, de acordo com a nota a que tivemos acesso.

Segundo a nota, dados preliminares da avaliação independente das actividades desenvolvidas pela OMS em Angola, nos últimos cincos anos, mostram que, apesar dos desafios enfrentados devido a crise financeira mundial  e as situações adversas emergenciais que afectaram o país, tais como o surto de marburg, a febre hemorrágica, entre outros, com consequências negativas na planificação e orçamentação,  a intervenção da OMS para a melhoria da saúde em Angola tem sido fundamentalmente satisfatória.

“A OMS tem desempenhado um papel preponderante no apoio ao Governo em áreas críticas como a Vigilância Integrada das Doenças e Resposta, resposta às Emergências de Saúde Publica, Reforço do Sistema Nacional de Saúde, e no controlo das doenças transmissíveis e não transmissíveis, incluindo a imunização e o combate as doenças tropicais negligenciadas”, disse a Ministra da Saúde de Angola, Silvia Lutucuta, que felicitou no entanto a OMS por ter juntado todos os intervenientes de saúde para a definição da estratégia de cooperação com Angola, e aproveitou a ocasião para enfatizar o apoio crucial que tem prestado ao país, em particular para a erradicação da poliomielite e combate a pandemia da COVID-19.

A Estratégia de Cooperação da OMS é uma ferramenta poderosa que promove o diálogo para além do sector da saúde, permite aos parceiros estratégicos identificar os constrangimentos a nível do sector da saúde, colocar Angola no centro de trabalho da OMS e desenvolver um plano que priorize a assistência técnica para as áreas mais críticas do Sistema de Saúde.

A Representante da OMS em Angola, Djamila Cabral, citada no documento, disse que a participação activa dos diferentes actores que intervêm no sector da saúde, durante a cerimónia de lançamento do processo de elaboração da Estratégia de Cooperação com Angola, é uma manifestação do apoio incondicional e compromisso de todos para a melhoria da saúde dos angolanos.

“Estamos muito honrados em poder contar com o apoio de toda a sociedade para a definição das prioridades e linhas orientadoras para a actuação da OMS em Angola. Temos a convicção que trabalhando juntos e unidos, podemos construir um futuro melhor e mais saudável para as famílias angolanas. O nosso compromisso, da OMS e do seu pessoal em Angola, é de continuar a contribuir para o alcance da Cobertura Universal da Saúde em Angola, sem deixar ninguém para trás”, declarou.

6galeria

Redacção

A coordenadora residente do Sistema das Nações Unidas em Angola, Zahira Virani, afirmou que é importante dar resposta aos desafios da saúde de forma planeada, inclusiva e duradoura, acrescentando que isso deverá resultar dum esforço conjunto entre o Governo, a OMS, as organizações do sector privado e todos os parceiros da Saúde.

A responsável fez estas declarações, ontem, por ocasião do lançamento do processo de elaboração da Estratégia de Cooperação da OMS com Angola para o período 2022 a 2026, visando fortalecer sinergias e definir as linhas orientadoras que vão contribuir para a melhoria da saúde em Angola.

A Estratégia de Cooperação (ECP) representa a visão estratégica da OMS a médio prazo e deverá incorporar os desafios antigos e novos, e estar alinhada às prioridades do país definidas no Plano Nacional de Desenvolvimento Sanitário (PNDS), nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e em outros documentos estratégicos, bem como em compromissos nacionais, regionais e internacionais, de acordo com a nota a que tivemos acesso.

Segundo a nota, dados preliminares da avaliação independente das actividades desenvolvidas pela OMS em Angola, nos últimos cincos anos, mostram que, apesar dos desafios enfrentados devido a crise financeira mundial  e as situações adversas emergenciais que afectaram o país, tais como o surto de marburg, a febre hemorrágica, entre outros, com consequências negativas na planificação e orçamentação,  a intervenção da OMS para a melhoria da saúde em Angola tem sido fundamentalmente satisfatória.

“A OMS tem desempenhado um papel preponderante no apoio ao Governo em áreas críticas como a Vigilância Integrada das Doenças e Resposta, resposta às Emergências de Saúde Publica, Reforço do Sistema Nacional de Saúde, e no controlo das doenças transmissíveis e não transmissíveis, incluindo a imunização e o combate as doenças tropicais negligenciadas”, disse a Ministra da Saúde de Angola, Silvia Lutucuta, que felicitou no entanto a OMS por ter juntado todos os intervenientes de saúde para a definição da estratégia de cooperação com Angola, e aproveitou a ocasião para enfatizar o apoio crucial que tem prestado ao país, em particular para a erradicação da poliomielite e combate a pandemia da COVID-19.

A Estratégia de Cooperação da OMS é uma ferramenta poderosa que promove o diálogo para além do sector da saúde, permite aos parceiros estratégicos identificar os constrangimentos a nível do sector da saúde, colocar Angola no centro de trabalho da OMS e desenvolver um plano que priorize a assistência técnica para as áreas mais críticas do Sistema de Saúde.

A Representante da OMS em Angola, Djamila Cabral, citada no documento, disse que a participação activa dos diferentes actores que intervêm no sector da saúde, durante a cerimónia de lançamento do processo de elaboração da Estratégia de Cooperação com Angola, é uma manifestação do apoio incondicional e compromisso de todos para a melhoria da saúde dos angolanos.

“Estamos muito honrados em poder contar com o apoio de toda a sociedade para a definição das prioridades e linhas orientadoras para a actuação da OMS em Angola. Temos a convicção que trabalhando juntos e unidos, podemos construir um futuro melhor e mais saudável para as famílias angolanas. O nosso compromisso, da OMS e do seu pessoal em Angola, é de continuar a contribuir para o alcance da Cobertura Universal da Saúde em Angola, sem deixar ninguém para trás”, declarou.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form