Sociedade
Educação

Uma forma bem mais divertida de aprender

Uma forma bem mais divertida de aprender
Foto por:
vídeo por:
Andrade Lino

Luanda acolheu, pela primeira vez, no pátio do instituto Mutu-Ya-Kevela, a Feira de Boas Práticas do Ensino Primário “FeBoP”, uma iniciativa promovida pelo Ministério da Educação, em prol da qualidade do sector no país, através do Projecto de Capacitação para Professores Primários “CAPPRI”.

Os objectivos do evento, que reuniu crianças de várias denominações académicas, passam por demonstrar as boas práticas do Ensino Primário e o seu impacto no desenvolvimento de competências dos alunos, com realce na leitura e escrita, desporto, arte e cultura, bem como em Matemática.

Num formato de espaço aberto que permitiu a interacção com os presentes sobre as metodologias aplicadas no âmbito da implementação do CAPPRI para melhor entende-las, a feira, decorrida no mês passado, sob o lema “Com sentido de responsabilidade, contribuamos todos para um Ensino Primário de qualidade em Angola”, foi marcada por vários momentos de partilha colectiva, na presença da Ministra da Educação, Directores Nacionais da Educação e outros representantes do sector.

O certame é a demonstração de um trabalho que decorre já em Luanda e pretende, mediante indicações, seguir para outras províncias, de acordo com Leonor Sá Machado, coordenadora do CAPPRI, que informou que a intenção é chegar aos 10 mil professores até ao final do ano, sendo que já 4 mil docentes usam essa metodologia.

Leonor Sá Machado, coordenadora do CAPPRI

Para ensinar a ensinar através de jogos e transmitir conhecimentos de uma forma mais descontraída, o programa possui um guia pedagógico, e segundo aquela responsável, a formação tem duração de dez dias, onde os mentores acompanham os professores na escola e fazem a verificação do processo de ensino.

No entanto, o feedback, por parte dos alunos, é positivo. “As crianças mostram-se felizes porque é uma forma de aprender diferente”, afirmou Leonor Machado.

Elizabeth Correia, professora da primária

Exemplo de professores já capacitados é Elizabeth Correia, que trabalha com a 2ª classe, na Escola 9018. Para ela, o exercício está a ser muito bom, “visto que as crianças gostam quando o professor ensina brincando, em vez de ser uma coisa muito séria”.

Disse ainda que os alunos, assim, têm mais facilidade de aprender, e revelou que antes da capacitação as aulas eram muito monótonas. Actualmente, avaliou, o processo está muito mais dinâmico.  Ali, a docente demonstrava, com os alunos, como é possível numa aula de Língua Portuguesa também trabalhar com Matemática. O exercício foca-se na formação de palavras seguindo a ordem indicada pelos números.

“É um método muito fácil de ensinar e de aprender, porque como sabemos, por exemplo, a Matemática é normalmente vista como um bicho de sete cabeças, mas vi as crianças a resolverem os exercícios com muita alegria e a se divertirem”, expressou por sua vez a Ministra da Educação, Maria Cândida Teixeira, tendo manifestado, em entrevista à imprensa, bastante satisfação pelo que viu, e portanto o seu ministério, informou, vai fazer força para que todo país receba esta metodologia.

A governante manifestou então a necessidade de se melhorar o nosso sistema de ensino, mas observou que isso passa pelos professores. “A primeira mudança que esperamos para a qualidade do ensino é o homem. Essa mudança passa por melhorar a qualidade dos próprios professores”, concluiu.

6galeria

Andrade Lino

Jornalista

Estudante de Língua Portuguesa e Comunicação, amante de artes visuais, música e poesia.

Luanda acolheu, pela primeira vez, no pátio do instituto Mutu-Ya-Kevela, a Feira de Boas Práticas do Ensino Primário “FeBoP”, uma iniciativa promovida pelo Ministério da Educação, em prol da qualidade do sector no país, através do Projecto de Capacitação para Professores Primários “CAPPRI”.

Os objectivos do evento, que reuniu crianças de várias denominações académicas, passam por demonstrar as boas práticas do Ensino Primário e o seu impacto no desenvolvimento de competências dos alunos, com realce na leitura e escrita, desporto, arte e cultura, bem como em Matemática.

Num formato de espaço aberto que permitiu a interacção com os presentes sobre as metodologias aplicadas no âmbito da implementação do CAPPRI para melhor entende-las, a feira, decorrida no mês passado, sob o lema “Com sentido de responsabilidade, contribuamos todos para um Ensino Primário de qualidade em Angola”, foi marcada por vários momentos de partilha colectiva, na presença da Ministra da Educação, Directores Nacionais da Educação e outros representantes do sector.

O certame é a demonstração de um trabalho que decorre já em Luanda e pretende, mediante indicações, seguir para outras províncias, de acordo com Leonor Sá Machado, coordenadora do CAPPRI, que informou que a intenção é chegar aos 10 mil professores até ao final do ano, sendo que já 4 mil docentes usam essa metodologia.

Leonor Sá Machado, coordenadora do CAPPRI

Para ensinar a ensinar através de jogos e transmitir conhecimentos de uma forma mais descontraída, o programa possui um guia pedagógico, e segundo aquela responsável, a formação tem duração de dez dias, onde os mentores acompanham os professores na escola e fazem a verificação do processo de ensino.

No entanto, o feedback, por parte dos alunos, é positivo. “As crianças mostram-se felizes porque é uma forma de aprender diferente”, afirmou Leonor Machado.

Elizabeth Correia, professora da primária

Exemplo de professores já capacitados é Elizabeth Correia, que trabalha com a 2ª classe, na Escola 9018. Para ela, o exercício está a ser muito bom, “visto que as crianças gostam quando o professor ensina brincando, em vez de ser uma coisa muito séria”.

Disse ainda que os alunos, assim, têm mais facilidade de aprender, e revelou que antes da capacitação as aulas eram muito monótonas. Actualmente, avaliou, o processo está muito mais dinâmico.  Ali, a docente demonstrava, com os alunos, como é possível numa aula de Língua Portuguesa também trabalhar com Matemática. O exercício foca-se na formação de palavras seguindo a ordem indicada pelos números.

“É um método muito fácil de ensinar e de aprender, porque como sabemos, por exemplo, a Matemática é normalmente vista como um bicho de sete cabeças, mas vi as crianças a resolverem os exercícios com muita alegria e a se divertirem”, expressou por sua vez a Ministra da Educação, Maria Cândida Teixeira, tendo manifestado, em entrevista à imprensa, bastante satisfação pelo que viu, e portanto o seu ministério, informou, vai fazer força para que todo país receba esta metodologia.

A governante manifestou então a necessidade de se melhorar o nosso sistema de ensino, mas observou que isso passa pelos professores. “A primeira mudança que esperamos para a qualidade do ensino é o homem. Essa mudança passa por melhorar a qualidade dos próprios professores”, concluiu.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form