Actualidade
Educação

Reforma educativa vigente no país não corresponde às expectativas, afirma presidente do Sinprof

Reforma educativa vigente no país não corresponde às expectativas, afirma presidente do Sinprof
Foto por:
vídeo por:
DR

O Presidente do Sindicado Nacional de Professores (Sinprof) defendeu neste sábado, na cidade do Kuito, província do Bié, a necessidade de se traçar políticas favoráveis à revisão da reforma educativa vigente no país para se melhorar a qualidade no ensino. 

Guilherme Silva fez esta afirmação no final da assembleia com os professores que visou informar os problemas que os docentes enfrentam naquela região, tendo manifestado que a reforma educativa implementada no sistema e o ensino angolano não têm correspondido às expectativas.

Face a esta situação, o sindicalista frisou que a monodocência continua a preocupar a sua instituição, já que a carga horária e a falta de domínio das disciplinas leccionadas por alguns professores acabam por reduzir a qualidade do ensino.

Para ele, constitui ainda preocupação o facto de a maioria de directores de escolas, fundamentalmente do ensino primário, não possuírem conhecimentos de gestão escolar, associado às condições de trabalho indigentes.

Tendo falado à Angop, o responsável reconheceu as dificuldades que os professores passam, porém, referiu serem conjunturais, e em forma de recomendação, Guilherme Silva encorajou os professores a transformarem-se em verdadeiros “combatentes da linha da frente” e agentes dinamizadores do processo de ensino e aprendizagem.

Com uma população estimada em 1.455.255 habitantes, o sector da Educação do Bié dispõe de 13.569 professores que labutam em 4.221 salas de aulas, e neste ano lectivo, estão matriculados mais de 600 mil alunos nos diversos subsistemas de ensino.

6galeria

Pedro Kididi

Jornalista

O Presidente do Sindicado Nacional de Professores (Sinprof) defendeu neste sábado, na cidade do Kuito, província do Bié, a necessidade de se traçar políticas favoráveis à revisão da reforma educativa vigente no país para se melhorar a qualidade no ensino. 

Guilherme Silva fez esta afirmação no final da assembleia com os professores que visou informar os problemas que os docentes enfrentam naquela região, tendo manifestado que a reforma educativa implementada no sistema e o ensino angolano não têm correspondido às expectativas.

Face a esta situação, o sindicalista frisou que a monodocência continua a preocupar a sua instituição, já que a carga horária e a falta de domínio das disciplinas leccionadas por alguns professores acabam por reduzir a qualidade do ensino.

Para ele, constitui ainda preocupação o facto de a maioria de directores de escolas, fundamentalmente do ensino primário, não possuírem conhecimentos de gestão escolar, associado às condições de trabalho indigentes.

Tendo falado à Angop, o responsável reconheceu as dificuldades que os professores passam, porém, referiu serem conjunturais, e em forma de recomendação, Guilherme Silva encorajou os professores a transformarem-se em verdadeiros “combatentes da linha da frente” e agentes dinamizadores do processo de ensino e aprendizagem.

Com uma população estimada em 1.455.255 habitantes, o sector da Educação do Bié dispõe de 13.569 professores que labutam em 4.221 salas de aulas, e neste ano lectivo, estão matriculados mais de 600 mil alunos nos diversos subsistemas de ensino.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form