Sociedade
Solidariedade

Programa BFA Solidário pretende dar visibilidade a organizações sem fins lucrativos

Programa BFA Solidário pretende dar visibilidade a organizações sem fins lucrativos
Foto por:
vídeo por:
Andrade Lino

Foi nesta segunda-feira apresentado, em conferência de imprensa, no âmbito da política social e envolvimento com a comunidade do Banco de Fomento Angola (BFA), o programa de responsabilidade social “BFA Solidário”, que visa apoiar e reconhecer o trabalho de organizações sem fins lucrativos que actuam nos sectores da educação, saúde e promoção da inclusão social e financeira de jovens e crianças.

Com este projecto, apresentado no Hotel EPic Sana, a instituição financeira pretende fomentar o desenvolvimento destas organizações, distinguindo e dando visibilidade aos melhores projectos nestas áreas e mobilizando a sociedade para as suas causas e carências.

O valor máximo disponibilizado para cada projecto será de 20 milhões de kwanzas, “mas de acordo com o montante do mesmo” e, assim sendo, cada organização candidata pode participar com apenas um projecto, seja na área de educação, saúde ou inclusão social.

O programa irá distribuir um valor máximo de 157 mil e quinhentos kwanzas por doze organizações, repartidas nas três categorias.

De acordo com os responsáveis, na avaliação das candidaturas, será tido em conta o envolvimento da organização, a sustentabilidade financeira, a capacidade de gestão de informação, histórico das actividades e a estimativa do impacto do projecto ao beneficiário final.

Porém, não poderão candidatar-se organizações com menos de três anos de actividade, porque se pretende apoiar aqueles cujas actividades são comprovadas e oferecem segurança, “embora haja instituições com menos de três anos que façam um trabalho merecedor de reconhecimento”.

“É sempre difícil medir o retorno. Para nós, o retorno resultará daquilo que for o impacto positivo dos utentes de determinada solidariedade social . O banco irá acompanhar o desembolso do seu apoio e irá permitir que estes ocorram à medida que os investimentos a que se propõem a instituição sejam feitos”, explicou o Presidente do Conselho Executivo do BFA, Jorge Albuquerque Ferreira, tendo clareado que o banco irá monitorizar esse processo para ter a garantia de que o investimento é integralmente realizado para o fim a que se propõe a instituição, e por isso, assumindo que a avaliação que é feita pelo júri é rigorosa e procura medir bem o impacto do futuro, se a aplicação do investimento for feita rigorosamente de acordo com aquilo que é o plano de investimento, o banco assumirá que está realizado o retorno do mesmo investimento.

Entretanto, as candidaturas decorrem desde segunda-feira, pelo que se aguardam 12 projectos finalistas. Existem 58 balcões, a maior parte em Luanda por causa da sua concentração geográfica, mas neste exacto momento, “todos os balcões e colaboradores do banco são embaixadores do projecto, sendo que é uma prioridade destes, independentemente de que parte do país estiverem, responsabilizarem-se pela divulgação deste programa. As 58 agências são as que terão a possibilidade de receber candidaturas físicas, mas elas serão maioritariamente feitas online”, no site da organização.

6galeria

Andrade Lino

Jornalista

Estudante de Língua Portuguesa e Comunicação, amante de artes visuais, música e poesia.

Foi nesta segunda-feira apresentado, em conferência de imprensa, no âmbito da política social e envolvimento com a comunidade do Banco de Fomento Angola (BFA), o programa de responsabilidade social “BFA Solidário”, que visa apoiar e reconhecer o trabalho de organizações sem fins lucrativos que actuam nos sectores da educação, saúde e promoção da inclusão social e financeira de jovens e crianças.

Com este projecto, apresentado no Hotel EPic Sana, a instituição financeira pretende fomentar o desenvolvimento destas organizações, distinguindo e dando visibilidade aos melhores projectos nestas áreas e mobilizando a sociedade para as suas causas e carências.

O valor máximo disponibilizado para cada projecto será de 20 milhões de kwanzas, “mas de acordo com o montante do mesmo” e, assim sendo, cada organização candidata pode participar com apenas um projecto, seja na área de educação, saúde ou inclusão social.

O programa irá distribuir um valor máximo de 157 mil e quinhentos kwanzas por doze organizações, repartidas nas três categorias.

De acordo com os responsáveis, na avaliação das candidaturas, será tido em conta o envolvimento da organização, a sustentabilidade financeira, a capacidade de gestão de informação, histórico das actividades e a estimativa do impacto do projecto ao beneficiário final.

Porém, não poderão candidatar-se organizações com menos de três anos de actividade, porque se pretende apoiar aqueles cujas actividades são comprovadas e oferecem segurança, “embora haja instituições com menos de três anos que façam um trabalho merecedor de reconhecimento”.

“É sempre difícil medir o retorno. Para nós, o retorno resultará daquilo que for o impacto positivo dos utentes de determinada solidariedade social . O banco irá acompanhar o desembolso do seu apoio e irá permitir que estes ocorram à medida que os investimentos a que se propõem a instituição sejam feitos”, explicou o Presidente do Conselho Executivo do BFA, Jorge Albuquerque Ferreira, tendo clareado que o banco irá monitorizar esse processo para ter a garantia de que o investimento é integralmente realizado para o fim a que se propõe a instituição, e por isso, assumindo que a avaliação que é feita pelo júri é rigorosa e procura medir bem o impacto do futuro, se a aplicação do investimento for feita rigorosamente de acordo com aquilo que é o plano de investimento, o banco assumirá que está realizado o retorno do mesmo investimento.

Entretanto, as candidaturas decorrem desde segunda-feira, pelo que se aguardam 12 projectos finalistas. Existem 58 balcões, a maior parte em Luanda por causa da sua concentração geográfica, mas neste exacto momento, “todos os balcões e colaboradores do banco são embaixadores do projecto, sendo que é uma prioridade destes, independentemente de que parte do país estiverem, responsabilizarem-se pela divulgação deste programa. As 58 agências são as que terão a possibilidade de receber candidaturas físicas, mas elas serão maioritariamente feitas online”, no site da organização.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form