Actualidade
Política

Presidente de Cabo Verde considera prioritárias relações com Angola

Presidente de Cabo Verde considera prioritárias relações com Angola
Foto por:
vídeo por:
DR

O novo Presidente da República de Cabo Verde apontou Angola como estando entre os países que devem continuar a ser prioritários nas relações externas do arquipélago lusófono.

José Maria Neves fez essa referência ontem, na Cidade da Praia, quando discursava, pela primeira vez, como Chefe de Estado cabo-verdiano, no acto da sua investidura, perante a Assembleia Nacional, defendendo que África deve continuar a ser a prioridade nas relações externas de Cabo Verde, tendo destacado então os Estados-Membros da CEDEAO e países como a Mauritânia, Marrocos, Angola e África do Sul.

"África tem de merecer toda a prioridade, enquanto continente a que pertencemos, sendo assim o espaço natural e de ancoragem de toda e qualquer estratégia de valorização e projecção das nossas vantagens comparativas, transformando-as em fontes de vantagens competitivas", afirmou, o Chefe de Estado, num discurso proferido em crioulo e português, perante várias personalidades nacionais e estrangeiras, entre os quais alguns chefes de Estado da CEDEAO e da CPLP, com destaque para o Presidente João Lourenço, igualmente o líder em exercício da organização lusófona.

José Maria Neves insistiu que Cabo Verde tem de "acelerar o passo na frente da integração regional e da inserção nas dinâmicas continentais", no plano económico e não só, sempre defendendo as suas especificidades e necessidades particulares, enquanto pequeno Estado arquipelágico e no meio do Atlântico, num "corredor que é tanto de oportunidades quanto de ameaças de cariz global".

"O Presidente da República (de Cabo Verde) garante todo o respaldo a uma crescente presença na CEDEAO e nas instâncias e iniciativas da União Africana e outras instituições de âmbito nacional", lembrou o estadista, de acordo com  a fonte do Jornal de Angola, considerando, na mesma senda, que se "impõe uma política muito forte de grande vizinhança que considere a comunidade regional (CEDEAO) e os Estados que a integram, a Mauritânia, Marrocos, Angola e África do Sul, bem como, a Oeste e a Sul, os Estados Unidos, o Brasil e o Mercosul".

Na óptica do novo Chefe de Estado, "a parceria especial" de Cabo Verde com a União Europeia tem, ainda, enormes margens de crescimento e deve continuar a afirmar-se como instrumento valioso para o desenvolvimento e a competitividade do arquipélago.

"Estarei empenhado no reforço dos especiais laços e das relações bilaterais com os países amigos e parceiros tradicionais de Cabo Verde, alguns deles hoje representados ao mais alto nível", garantiu.

6galeria

Redacção

O novo Presidente da República de Cabo Verde apontou Angola como estando entre os países que devem continuar a ser prioritários nas relações externas do arquipélago lusófono.

José Maria Neves fez essa referência ontem, na Cidade da Praia, quando discursava, pela primeira vez, como Chefe de Estado cabo-verdiano, no acto da sua investidura, perante a Assembleia Nacional, defendendo que África deve continuar a ser a prioridade nas relações externas de Cabo Verde, tendo destacado então os Estados-Membros da CEDEAO e países como a Mauritânia, Marrocos, Angola e África do Sul.

"África tem de merecer toda a prioridade, enquanto continente a que pertencemos, sendo assim o espaço natural e de ancoragem de toda e qualquer estratégia de valorização e projecção das nossas vantagens comparativas, transformando-as em fontes de vantagens competitivas", afirmou, o Chefe de Estado, num discurso proferido em crioulo e português, perante várias personalidades nacionais e estrangeiras, entre os quais alguns chefes de Estado da CEDEAO e da CPLP, com destaque para o Presidente João Lourenço, igualmente o líder em exercício da organização lusófona.

José Maria Neves insistiu que Cabo Verde tem de "acelerar o passo na frente da integração regional e da inserção nas dinâmicas continentais", no plano económico e não só, sempre defendendo as suas especificidades e necessidades particulares, enquanto pequeno Estado arquipelágico e no meio do Atlântico, num "corredor que é tanto de oportunidades quanto de ameaças de cariz global".

"O Presidente da República (de Cabo Verde) garante todo o respaldo a uma crescente presença na CEDEAO e nas instâncias e iniciativas da União Africana e outras instituições de âmbito nacional", lembrou o estadista, de acordo com  a fonte do Jornal de Angola, considerando, na mesma senda, que se "impõe uma política muito forte de grande vizinhança que considere a comunidade regional (CEDEAO) e os Estados que a integram, a Mauritânia, Marrocos, Angola e África do Sul, bem como, a Oeste e a Sul, os Estados Unidos, o Brasil e o Mercosul".

Na óptica do novo Chefe de Estado, "a parceria especial" de Cabo Verde com a União Europeia tem, ainda, enormes margens de crescimento e deve continuar a afirmar-se como instrumento valioso para o desenvolvimento e a competitividade do arquipélago.

"Estarei empenhado no reforço dos especiais laços e das relações bilaterais com os países amigos e parceiros tradicionais de Cabo Verde, alguns deles hoje representados ao mais alto nível", garantiu.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form