Arte e Cultura
Exposição

Pedro Masisa leva “O Quotidiano” angolano à Galeria Tamar Golan

Pedro Masisa leva “O Quotidiano” angolano à Galeria Tamar Golan
Foto por:
vídeo por:
DR

O artista plástico angolano Pedro Masisa vai apresentar, na Galeria Tamar Golan, “O Quotidiano”, uma exposição individual a inaugurar no próximo dia 8 deste mês, sexta-feira, pelas 18h00.

A mostra reúne 20 obras de pintura que têm como objectivo falar do quotidiano do povo luandense e angolano em geral. Foi a experiência do dia-a-dia que levou o artista a abordar este tema.

De acordo com o referido no comunicado que recebemos, as suas obras fazem-nos lembrar os acontecimentos por que se debate a nossa sociedade, tal como podemos constatar, por exemplo, na sua tela intitulada “A Zungueira de Peixe”. É de facto o radiografar das mulheres batalhadoras que trabalham arduamente para o sustento de suas famílias.

Outro exemplo é a obra “Os Pequenos Cientistas”, que retrata a criatividade infantil, com brinquedos que saem das suas mãos como hobby, mas que se enquadram no desenvolvimento de um futuro profissional e um caminho sustentável para a vida das crianças.

São notáveis os seus trabalhosos traços de pincéis e sua expressão cromática, que revelam o nível da experiência com uma paleta bem organizada de linhas coloridas que exprime o belo no seu trabalho pictográfico, uma estética de rupturas de linhas nos personagens que realça tons de expressionismo moderno, lê-se ainda no documento.

A exposição, entretanto, ficará patente ao público até ao dia 3 de Dezembro, podendo ser visitada de segunda-feira a sábado, das 12h30 às 19h30, na galeria de arte contemporânea da Fundação Arte e Cultura, na Baixa de Luanda.

Tido como artista de grande empenho, Pedro Masisa viaja do Soyo para Luanda a fim de partilhar com os amantes da arte a sua visão sobre o dia-a-dia do angolano. O “inclino” da Galeria Tamar Galan para o mês de Novembro nasceu no dia 9 de Setembro de 1972, na província do Zaire, município do Soyo. Como a maioria dos angolanos, Pedro Masisa vem de uma família modesta, realidade que o tornou, hoje, num homem de luta.

Formou-se na República Democrática do Congo (Kinshasa), no Instituto de Belas-Artes, mas foi na tenra idade que teve o foco pelas artes plásticas, muito por conta do apoio da sua família. Em 1989, ingressou no instituto de Belas-Artes e em 1997 fez o Bacharelato.

Já na ânsia de mostrar o que aprendera, Masisa regressou à sua terra natal em 2002, ali trabalhando com Roberto Joaquim Helena e em Luanda com os mestres Patrício Mawete, Nkulu Honesto e Mudilu Silva. Em 2007, então, participou na exposição colectiva “Eco dos Heróis”, em Luanda, realizada pelo Atelier Mawete.

6galeria

Redacção

O artista plástico angolano Pedro Masisa vai apresentar, na Galeria Tamar Golan, “O Quotidiano”, uma exposição individual a inaugurar no próximo dia 8 deste mês, sexta-feira, pelas 18h00.

A mostra reúne 20 obras de pintura que têm como objectivo falar do quotidiano do povo luandense e angolano em geral. Foi a experiência do dia-a-dia que levou o artista a abordar este tema.

De acordo com o referido no comunicado que recebemos, as suas obras fazem-nos lembrar os acontecimentos por que se debate a nossa sociedade, tal como podemos constatar, por exemplo, na sua tela intitulada “A Zungueira de Peixe”. É de facto o radiografar das mulheres batalhadoras que trabalham arduamente para o sustento de suas famílias.

Outro exemplo é a obra “Os Pequenos Cientistas”, que retrata a criatividade infantil, com brinquedos que saem das suas mãos como hobby, mas que se enquadram no desenvolvimento de um futuro profissional e um caminho sustentável para a vida das crianças.

São notáveis os seus trabalhosos traços de pincéis e sua expressão cromática, que revelam o nível da experiência com uma paleta bem organizada de linhas coloridas que exprime o belo no seu trabalho pictográfico, uma estética de rupturas de linhas nos personagens que realça tons de expressionismo moderno, lê-se ainda no documento.

A exposição, entretanto, ficará patente ao público até ao dia 3 de Dezembro, podendo ser visitada de segunda-feira a sábado, das 12h30 às 19h30, na galeria de arte contemporânea da Fundação Arte e Cultura, na Baixa de Luanda.

Tido como artista de grande empenho, Pedro Masisa viaja do Soyo para Luanda a fim de partilhar com os amantes da arte a sua visão sobre o dia-a-dia do angolano. O “inclino” da Galeria Tamar Galan para o mês de Novembro nasceu no dia 9 de Setembro de 1972, na província do Zaire, município do Soyo. Como a maioria dos angolanos, Pedro Masisa vem de uma família modesta, realidade que o tornou, hoje, num homem de luta.

Formou-se na República Democrática do Congo (Kinshasa), no Instituto de Belas-Artes, mas foi na tenra idade que teve o foco pelas artes plásticas, muito por conta do apoio da sua família. Em 1989, ingressou no instituto de Belas-Artes e em 1997 fez o Bacharelato.

Já na ânsia de mostrar o que aprendera, Masisa regressou à sua terra natal em 2002, ali trabalhando com Roberto Joaquim Helena e em Luanda com os mestres Patrício Mawete, Nkulu Honesto e Mudilu Silva. Em 2007, então, participou na exposição colectiva “Eco dos Heróis”, em Luanda, realizada pelo Atelier Mawete.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form