Internacional
Brasil

Odebrecht usou Angola para esconder documentos que provam escândalos da corrupção

Odebrecht usou Angola para esconder documentos que provam escândalos da corrupção
Foto por:
vídeo por:
DR

Antes de utilizar a Suíça como servidor para depositar dados sobre dinheiro pago a agentes públicos, a empresa brasileira Odebrecht usou Angola para esconder um total de dois milhões de dólares em valores pagos em acções de corrupção, em documentos, e-mails e provas de transferências bancárias. 

Segundo o site brasileiro Época de Negócios, que sita Hilberto Mascarenhas como o responsável pelas operações ilícitas do Sector de Operações Estruturais da Odebrecht, em documentos entregues a Lava Jato, operação judiciária que investiga escândalos de corrupção que envolve a Odebrecht, o antigo presidente do Brasil, Lula da Silva, ministros e deputados brasileiros. 

Hilberto  Mascarenha esclareceu que “eram dois sistemas tecnológicos com acesso restrito desenvolvido para as transferências bancárias. Um deles era o MyWebday B, para pagamento e controle de todo o valor pago em subornos. O outro era o Drousys, um mecanismo de comunicação para troca de e-mails e de solicitações. De acordo com o documento, o MyWebday B foi especialmente adaptado para atender às necessidades do departamento de suborno, em um trabalho que levou de três a seis meses.

Recorde-se que o esquema de  corrupção da construtora brasileira foi descoberto no âmbito da Operação Lava Jato, no Brasil e suspeita—se que a Odebrecht terá pago avultadas luvas a responsáveis em Angola e Moçambique.

A Operação Lava Jato, uma investigação da justiça brasileira de desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro, pôs a nu o esquema de corrupção numa das maiores empresas brasileiras, a construtora Odebrecht. Através de um departamento criado especificamente para o efeito, o Sector de Operações Estruturadas, a Odebrecht pagava luvas, nomeadamente a políticos, a troco de benefícios de decisões governamentais, aprovação de leis e obras públicas.

Uma parte do dinheiro das obras públicas era desviada a fim de ser distribuída por políticos, através de subornos pagos no Brasil ou fora do país. 

Saiba mais sobre assunto. 

 

6galeria

Redacção

Antes de utilizar a Suíça como servidor para depositar dados sobre dinheiro pago a agentes públicos, a empresa brasileira Odebrecht usou Angola para esconder um total de dois milhões de dólares em valores pagos em acções de corrupção, em documentos, e-mails e provas de transferências bancárias. 

Segundo o site brasileiro Época de Negócios, que sita Hilberto Mascarenhas como o responsável pelas operações ilícitas do Sector de Operações Estruturais da Odebrecht, em documentos entregues a Lava Jato, operação judiciária que investiga escândalos de corrupção que envolve a Odebrecht, o antigo presidente do Brasil, Lula da Silva, ministros e deputados brasileiros. 

Hilberto  Mascarenha esclareceu que “eram dois sistemas tecnológicos com acesso restrito desenvolvido para as transferências bancárias. Um deles era o MyWebday B, para pagamento e controle de todo o valor pago em subornos. O outro era o Drousys, um mecanismo de comunicação para troca de e-mails e de solicitações. De acordo com o documento, o MyWebday B foi especialmente adaptado para atender às necessidades do departamento de suborno, em um trabalho que levou de três a seis meses.

Recorde-se que o esquema de  corrupção da construtora brasileira foi descoberto no âmbito da Operação Lava Jato, no Brasil e suspeita—se que a Odebrecht terá pago avultadas luvas a responsáveis em Angola e Moçambique.

A Operação Lava Jato, uma investigação da justiça brasileira de desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro, pôs a nu o esquema de corrupção numa das maiores empresas brasileiras, a construtora Odebrecht. Através de um departamento criado especificamente para o efeito, o Sector de Operações Estruturadas, a Odebrecht pagava luvas, nomeadamente a políticos, a troco de benefícios de decisões governamentais, aprovação de leis e obras públicas.

Uma parte do dinheiro das obras públicas era desviada a fim de ser distribuída por políticos, através de subornos pagos no Brasil ou fora do país. 

Saiba mais sobre assunto. 

 

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form