Caneta e Papel
Flagelo Urbano

O manifesto do Rei de Medina

O manifesto do Rei de Medina
Foto por:
vídeo por:

Poesia cantada, essa é a essência do rap. Poesia, rima, mensagem, ritmo e música. E foi essa a essência que pude encontrar no "Ermo", o filho recém-parido de Flagelo Urbano. Num primeiro momento não entendi o título, confesso. A riqueza das parcerias, o cantar da dor comum... Não me pareceu muito solitário,  pareceu-me antes, muito solidário. Quando cheguei ao fim do CD mudei de ideias.

O isolamento necessário para o exercício da escrita, da composição, deve ter sido bem expressivo. Quando se consegue como resultado um texto reflexivo, carregado de sentido e significado, esse trabalho de isolamento só pode ter sido complexo.

Se este CD fosse um vinho, seria um desses muito raros que se senta para decantar numa primeira fase e só depois se degusta. Um vinho desses que dá um aperto no coração abrir, mas uma vez aberto, vale a pena todo o sofrimento.

É um ir buscar as raízes africanas, uma defesa tão veemente do pan-africanismo, do angolanismo, do humanismo tão intensos que às tantas uma pessoa começa a pensar com os seus botões: onde é que eu assino?

E no meio disto tudo ainda há a melodia. Não que eu entenda grande coisa de música. Entendo que gosto ou que não gosto. Neste caso gosto. Um estilo que faz lembrar a velha guarda e que foge ao histerismo e a esquizofrenia das fusões forçadas e mal acabadas. Uma música bonita para cantar, muitas vezes, coisas feias.

O CD todo é um item de escuta obrigatória, mas algumas faixas impressionaram-me de forma mais marcante que as restantes. “Griot” foi uma excelente forma de abrir o álbum. Uma ode às tradições orais africanas, aos hábitos quase esquecidos de contar histórias, a busca pela ancestralidade. Uma exaltação as bibliotecas vivas que são cada vez mais escassas, mais difíceis de ser consultadas. A música é também uma posição assumida: “Eu sou um Griot”. Veremos.

Outra música que para mim se destacou foi “Sílaba Silenciosa”. É onde Flagelo Urbano assume um compromisso, claro e objectivo com a palavra. É também uma crítica aberta a alienação das massas (“Quando os fracos e desencorajados levantarem as suas cabeças e deixarem de acreditar na força dos seus opressores. Acreditar é muito mais simples do que pensar, é por isso que existem mais crentes do que pensadores”).

Se este CD fosse um vinho, seria um desses muito raros que se senta para decantar numa primeira fase e só depois se degusta. Um vinho desses que dá um aperto no coração abrir, mas uma vez aberto, vale a pena todo o sofrimento.

Aos que fogem e se preservam numa gaiola de egocêntrica indiferença, Flagelo Urbano, explica: “Descobri que de nada me valerá fugir afinal, nem de quem ontem era consciente e hoje é comercial. As rosas mortas não impedem o chegar da primavera, quando se é um autêntico profeta para a sua era. Quando o silêncio, a indiferença e a passividade, nada mais são senão o ópio da sociedade …”.

"O Ermo" soou-me como um diário, que canta as suas dores, os seus amores, suas lembranças, suas esperanças. O diário de bordo de um comandante cujo barco se isola mas não anda à deriva.

Flagelo Urbano é um solitário, um ermita, um ermo. Um defensor dos direitos humanos que luta sozinho, por escolha própria. E "O Ermo" é um manifesto, contra as injustiças, as ofensas, o ódio, as disparidades sociais extremas que se vão vendo e vivendo. Um trabalho com uma faceta autobiográfica forte, na medida em que revela também muito do que são as convicções e posicionamentos do seu autor.

“Poesia experimental faz quem quer, poesia mesmo, faz quem pode”, José Carlos Ary dos Santos.

6galeria

Aoaní d'Alva

Poesia cantada, essa é a essência do rap. Poesia, rima, mensagem, ritmo e música. E foi essa a essência que pude encontrar no "Ermo", o filho recém-parido de Flagelo Urbano. Num primeiro momento não entendi o título, confesso. A riqueza das parcerias, o cantar da dor comum... Não me pareceu muito solitário,  pareceu-me antes, muito solidário. Quando cheguei ao fim do CD mudei de ideias.

O isolamento necessário para o exercício da escrita, da composição, deve ter sido bem expressivo. Quando se consegue como resultado um texto reflexivo, carregado de sentido e significado, esse trabalho de isolamento só pode ter sido complexo.

Se este CD fosse um vinho, seria um desses muito raros que se senta para decantar numa primeira fase e só depois se degusta. Um vinho desses que dá um aperto no coração abrir, mas uma vez aberto, vale a pena todo o sofrimento.

É um ir buscar as raízes africanas, uma defesa tão veemente do pan-africanismo, do angolanismo, do humanismo tão intensos que às tantas uma pessoa começa a pensar com os seus botões: onde é que eu assino?

E no meio disto tudo ainda há a melodia. Não que eu entenda grande coisa de música. Entendo que gosto ou que não gosto. Neste caso gosto. Um estilo que faz lembrar a velha guarda e que foge ao histerismo e a esquizofrenia das fusões forçadas e mal acabadas. Uma música bonita para cantar, muitas vezes, coisas feias.

O CD todo é um item de escuta obrigatória, mas algumas faixas impressionaram-me de forma mais marcante que as restantes. “Griot” foi uma excelente forma de abrir o álbum. Uma ode às tradições orais africanas, aos hábitos quase esquecidos de contar histórias, a busca pela ancestralidade. Uma exaltação as bibliotecas vivas que são cada vez mais escassas, mais difíceis de ser consultadas. A música é também uma posição assumida: “Eu sou um Griot”. Veremos.

Outra música que para mim se destacou foi “Sílaba Silenciosa”. É onde Flagelo Urbano assume um compromisso, claro e objectivo com a palavra. É também uma crítica aberta a alienação das massas (“Quando os fracos e desencorajados levantarem as suas cabeças e deixarem de acreditar na força dos seus opressores. Acreditar é muito mais simples do que pensar, é por isso que existem mais crentes do que pensadores”).

Se este CD fosse um vinho, seria um desses muito raros que se senta para decantar numa primeira fase e só depois se degusta. Um vinho desses que dá um aperto no coração abrir, mas uma vez aberto, vale a pena todo o sofrimento.

Aos que fogem e se preservam numa gaiola de egocêntrica indiferença, Flagelo Urbano, explica: “Descobri que de nada me valerá fugir afinal, nem de quem ontem era consciente e hoje é comercial. As rosas mortas não impedem o chegar da primavera, quando se é um autêntico profeta para a sua era. Quando o silêncio, a indiferença e a passividade, nada mais são senão o ópio da sociedade …”.

"O Ermo" soou-me como um diário, que canta as suas dores, os seus amores, suas lembranças, suas esperanças. O diário de bordo de um comandante cujo barco se isola mas não anda à deriva.

Flagelo Urbano é um solitário, um ermita, um ermo. Um defensor dos direitos humanos que luta sozinho, por escolha própria. E "O Ermo" é um manifesto, contra as injustiças, as ofensas, o ódio, as disparidades sociais extremas que se vão vendo e vivendo. Um trabalho com uma faceta autobiográfica forte, na medida em que revela também muito do que são as convicções e posicionamentos do seu autor.

“Poesia experimental faz quem quer, poesia mesmo, faz quem pode”, José Carlos Ary dos Santos.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form