Sociedade
Pesquisa

Municípios de Viana e Cazenga são apontados como os mais violentos de Luanda

Municípios de Viana e Cazenga são apontados como os mais violentos de Luanda
Foto por:
vídeo por:
DR

Os municípios de Viana e Cazenga são apontados na pesquisa como sendo os mais violentos e onde, na maior parte das vezes, as forças da ordem levam muito tempo a responder às constantes solicitações dos habitantes.

O estudo realizado pelos institutos superiores politécnicos Sol Nascente, do Huambo, e Jean Piaget, de Benguela, cujos dados preliminares estavam previstos para serem apresentados nesta terça-feira, 21, na capital angolana, revela que os cidadãos inquiridos terão manifestado maior preocupação com o facto de apenas 13 por cento das ocorrências criminais têm resposta imediata da Polícia e nos restantes casos a corporação apenas aparece decorridos duas e três horas depois do crime.

A maioria dos participantes da pesquisa sugeriu da Polícia mais força e violência contra os meliantes, ao mesmo tempo que minimiza a tese de que o aumento da criminalidade se deve à falta de emprego, noticiou um órgão de notícias angolano.

Ademais, o levantamento indica que 62 por cento dos inquiridos responderam afirmativamente que os meliantes tinham mais facilidade em obter armas de fogo, enquanto 15 por cento responderam negativamente e 23 por cento manifestaram-se duvidosos.

No mesmo estudo, os pesquisadores concluíram que 23 por cento dos moradores de Luanda sentem-se inseguros na sua própria casa, enquanto a Polícia não regista 42 por cento dos crimes que ocorrem maioritariamente no período da noite.

O acesso fácil às armas de fogo por parte dos criminosos é apontado pelos inquiridos como estando na base do aumento dos crimes violentos em Luanda. Desta feita, o jurista Carlos Augusto, da SOS-Habitat, considera que o estudo revela a realidade de um país incapaz de conter o desemprego.

O líder daquela organização não governamental que vela pelas questões de reinserção social, segurança e de protecção de bens e de pessoas defende a reabilitação do parque industrial do país e o controlo das armas nos quartéis e esquadras da Polícia.

 

 

6galeria

Pedro Kididi

Jornalista

Os municípios de Viana e Cazenga são apontados na pesquisa como sendo os mais violentos e onde, na maior parte das vezes, as forças da ordem levam muito tempo a responder às constantes solicitações dos habitantes.

O estudo realizado pelos institutos superiores politécnicos Sol Nascente, do Huambo, e Jean Piaget, de Benguela, cujos dados preliminares estavam previstos para serem apresentados nesta terça-feira, 21, na capital angolana, revela que os cidadãos inquiridos terão manifestado maior preocupação com o facto de apenas 13 por cento das ocorrências criminais têm resposta imediata da Polícia e nos restantes casos a corporação apenas aparece decorridos duas e três horas depois do crime.

A maioria dos participantes da pesquisa sugeriu da Polícia mais força e violência contra os meliantes, ao mesmo tempo que minimiza a tese de que o aumento da criminalidade se deve à falta de emprego, noticiou um órgão de notícias angolano.

Ademais, o levantamento indica que 62 por cento dos inquiridos responderam afirmativamente que os meliantes tinham mais facilidade em obter armas de fogo, enquanto 15 por cento responderam negativamente e 23 por cento manifestaram-se duvidosos.

No mesmo estudo, os pesquisadores concluíram que 23 por cento dos moradores de Luanda sentem-se inseguros na sua própria casa, enquanto a Polícia não regista 42 por cento dos crimes que ocorrem maioritariamente no período da noite.

O acesso fácil às armas de fogo por parte dos criminosos é apontado pelos inquiridos como estando na base do aumento dos crimes violentos em Luanda. Desta feita, o jurista Carlos Augusto, da SOS-Habitat, considera que o estudo revela a realidade de um país incapaz de conter o desemprego.

O líder daquela organização não governamental que vela pelas questões de reinserção social, segurança e de protecção de bens e de pessoas defende a reabilitação do parque industrial do país e o controlo das armas nos quartéis e esquadras da Polícia.

 

 

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form