Actualidade
Responsabilidade Social

Mota-Engil apoia Governo no combate à pandemia Covid-19 em Angola

Mota-Engil apoia Governo no combate à pandemia Covid-19 em Angola
Foto por:
vídeo por:
Cedidas

A Mota-Engil, no âmbito da sua responsabilidade social, apoia o Governo de Angola no combate à pandemia que se alastrou por todo o mundo, a Covid-19 e, nesse sentido, a empresa reabilitou o Edifício do Bloco C do Hospital Psiquiátrico de Luanda, e faz com 3 viaturas cisternas a distribuição diária de 80 a 100 mil litros de água por viatura, além da doação de equipamento.

Estas iniciativas tiveram início a 3 de Abril e vão prolongar-se até ao final do Estado de emergência decretado em Angola.

A companhia dá apoio às províncias de Luanda e Cabinda, onde, actualmente, se encontram em construção os hospitais que irão garantir um maior e melhor acesso à saúde no país. Assim, a empresa doou 3 mil fatos de protecção descartáveis como equipamento de protecção individual para os profissionais de saúde dos hospitais do país, contribuindo, também, para a reabilitação integral do edifício do Bloco C do Hospital Psiquiátrico de Luanda, destinado ao diagnóstico e eventual tratamento da pandemia Covid-19, em paralelo com a distribuição de água potável a vários municípios de Luanda.

Com efeito, estes esforços vêm na senda da responsabilidade social da construtora para com Angola, procurando mitigar os efeitos do vírus junto das populações onde opera.

A empresa entregou, na Direcção do Ministério da Saúde, cerca de 3 mil fatos de protecção descartáveis, 1000 máscaras e 50 viseiras faciais produzidas na província de Cabinda, através de impressão 3D, procurando contribuir para a protecção dos valorosos profissionais de saúde que diariamente prestam cuidados de saúde em prol dos cidadãos. Estes equipamentos de EPI deverão ser disponibilizados pelos profissionais dos vários hospitais do país a muito breve prazo.

Quanto à reabilitação do Edifício do Bloco C do Hospital Psiquiátrico de Luanda, a obra teve um prazo de execução de 6 semanas, metade das quais passadas durante o período de emergência. A área coberta intervencionada foi de 550 m2, tendo estado presentes 60 operários, os quais foram além do seu dever profissional, através da sua rapidez de execução, com benefícios directos para a comunidade local.

Inserido no âmbito do plano de contingência de combate à Covid-19, levado a cabo pelo Governo de Angola, foi dada prioridade ao abastecimento de água potável a instituições de cariz social e população em geral, donde, dada a excelente relação de parceria existente entre a Mota-Engil e o Governo Angolano e os seus ministérios, tem-se procedido ao fornecimento água potável à população nos municípios de Luanda.

Foram assim disponibilizadas três viaturas cisternas de água e respectivos motoristas para realizar abastecimento nos bairros do Cazenga, Molevos, Benfica, Kapalanga e Futungo, e de realçar o reconhecimento e agradecimento por parte da população a esta importante iniciativa de apoio da Mota-Engil, que, mais uma vez, se une ao combate à pandemia, contribuindo com a distribuição diária de 80 a 100 mil litros de água por viatura, de acordo com o comunicado que recebemos.

A Mota-Engil também tem vindo a desenvolver um conjunto de esforços, com vista a prevenir e minimizar a propagação do coronavírus, “colocando a saúde dos seus colaboradores, clientes, parceiros e comunidades onde opera sempre em primeiro lugar”, destacando as medidas já implementadas.

Com efeito, a Mota-Engil destaca as medidas preventivas a nível individual, desde a sensibilização sobre a etiqueta respiratória e o reforço da higiene pessoal, ao aconselhamento sobre como evitar contacto interpessoal e a presença em zonas de grandes aglomerações e  medidas preventivas a nível corporativo, as quais vão do fornecimento de kits de prevenção, reforço da limpeza de todos os edifícios e fornecimento de produtos antissépticos, até ao cancelamento de deslocações profissionais e reuniões presenciais, substituídas por videoconferências ou outros contactos remotamente.

A organização definiu, também, ainda de acordo com o documento, áreas de isolamento nos vários estabelecimentos e os procedimentos dedicados para o acompanhamento de colaboradores em caso de contágio. Ademais, a empresa apostou de igual modo na informação e formação interna, assentes nas comunicações corporativas internas de orientação e sensibilização, reforço das “tool box” e acções de sensibilização a todos os colaboradores em todos os projectos nacionais e internacionais.

Na lista de medidas está ainda a suspensão transversal de todas as viagens entre países onde a Mota-Engil opera, de forma a prevenir o contágio dos colaboradores, suas famílias e comunidade envolventes. Anuncia ainda “a implementação de acções internas no sentido de garantir a sustentabilidade da operação” da construtora.

Com estas medidas, no entanto, a companhia reforçou a prevenção e diminuiu o impacto associado à transmissão do vírus na vida dos seus colaboradores e familiares, bem como dos seus parceiros e comunidade envolvente.

6galeria

Andrade Lino

Jornalista

Estudante de Língua Portuguesa e Comunicação, amante de artes visuais, música e poesia.

A Mota-Engil, no âmbito da sua responsabilidade social, apoia o Governo de Angola no combate à pandemia que se alastrou por todo o mundo, a Covid-19 e, nesse sentido, a empresa reabilitou o Edifício do Bloco C do Hospital Psiquiátrico de Luanda, e faz com 3 viaturas cisternas a distribuição diária de 80 a 100 mil litros de água por viatura, além da doação de equipamento.

Estas iniciativas tiveram início a 3 de Abril e vão prolongar-se até ao final do Estado de emergência decretado em Angola.

A companhia dá apoio às províncias de Luanda e Cabinda, onde, actualmente, se encontram em construção os hospitais que irão garantir um maior e melhor acesso à saúde no país. Assim, a empresa doou 3 mil fatos de protecção descartáveis como equipamento de protecção individual para os profissionais de saúde dos hospitais do país, contribuindo, também, para a reabilitação integral do edifício do Bloco C do Hospital Psiquiátrico de Luanda, destinado ao diagnóstico e eventual tratamento da pandemia Covid-19, em paralelo com a distribuição de água potável a vários municípios de Luanda.

Com efeito, estes esforços vêm na senda da responsabilidade social da construtora para com Angola, procurando mitigar os efeitos do vírus junto das populações onde opera.

A empresa entregou, na Direcção do Ministério da Saúde, cerca de 3 mil fatos de protecção descartáveis, 1000 máscaras e 50 viseiras faciais produzidas na província de Cabinda, através de impressão 3D, procurando contribuir para a protecção dos valorosos profissionais de saúde que diariamente prestam cuidados de saúde em prol dos cidadãos. Estes equipamentos de EPI deverão ser disponibilizados pelos profissionais dos vários hospitais do país a muito breve prazo.

Quanto à reabilitação do Edifício do Bloco C do Hospital Psiquiátrico de Luanda, a obra teve um prazo de execução de 6 semanas, metade das quais passadas durante o período de emergência. A área coberta intervencionada foi de 550 m2, tendo estado presentes 60 operários, os quais foram além do seu dever profissional, através da sua rapidez de execução, com benefícios directos para a comunidade local.

Inserido no âmbito do plano de contingência de combate à Covid-19, levado a cabo pelo Governo de Angola, foi dada prioridade ao abastecimento de água potável a instituições de cariz social e população em geral, donde, dada a excelente relação de parceria existente entre a Mota-Engil e o Governo Angolano e os seus ministérios, tem-se procedido ao fornecimento água potável à população nos municípios de Luanda.

Foram assim disponibilizadas três viaturas cisternas de água e respectivos motoristas para realizar abastecimento nos bairros do Cazenga, Molevos, Benfica, Kapalanga e Futungo, e de realçar o reconhecimento e agradecimento por parte da população a esta importante iniciativa de apoio da Mota-Engil, que, mais uma vez, se une ao combate à pandemia, contribuindo com a distribuição diária de 80 a 100 mil litros de água por viatura, de acordo com o comunicado que recebemos.

A Mota-Engil também tem vindo a desenvolver um conjunto de esforços, com vista a prevenir e minimizar a propagação do coronavírus, “colocando a saúde dos seus colaboradores, clientes, parceiros e comunidades onde opera sempre em primeiro lugar”, destacando as medidas já implementadas.

Com efeito, a Mota-Engil destaca as medidas preventivas a nível individual, desde a sensibilização sobre a etiqueta respiratória e o reforço da higiene pessoal, ao aconselhamento sobre como evitar contacto interpessoal e a presença em zonas de grandes aglomerações e  medidas preventivas a nível corporativo, as quais vão do fornecimento de kits de prevenção, reforço da limpeza de todos os edifícios e fornecimento de produtos antissépticos, até ao cancelamento de deslocações profissionais e reuniões presenciais, substituídas por videoconferências ou outros contactos remotamente.

A organização definiu, também, ainda de acordo com o documento, áreas de isolamento nos vários estabelecimentos e os procedimentos dedicados para o acompanhamento de colaboradores em caso de contágio. Ademais, a empresa apostou de igual modo na informação e formação interna, assentes nas comunicações corporativas internas de orientação e sensibilização, reforço das “tool box” e acções de sensibilização a todos os colaboradores em todos os projectos nacionais e internacionais.

Na lista de medidas está ainda a suspensão transversal de todas as viagens entre países onde a Mota-Engil opera, de forma a prevenir o contágio dos colaboradores, suas famílias e comunidade envolventes. Anuncia ainda “a implementação de acções internas no sentido de garantir a sustentabilidade da operação” da construtora.

Com estas medidas, no entanto, a companhia reforçou a prevenção e diminuiu o impacto associado à transmissão do vírus na vida dos seus colaboradores e familiares, bem como dos seus parceiros e comunidade envolvente.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form