Ciência & Tecnologia
Saúde

Moçambique destaca-se entre os PALOP com maior produção de investigação em ciências da saúde

Moçambique destaca-se entre os PALOP com maior produção de investigação em ciências da saúde
Foto por:
vídeo por:
DR

Moçambique destaca-se  com 70% da produção de investigação em ciências da saúde nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), onde esta actividade aumentou, coincidindo a pesquisa com as patologias que mais afectam estes Estados, avança estudo.

Os dados são presentes no Mapeamento da Investigação e Financiamento das Ciências da Saúde, recomendado pela Fundação Gulbenkian, que investiga a evolução da criação científica internacional em ciências da saúde, suas redes de colaboração e fontes de financiamento, de 2008 a 2020, em Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe.

Apesar de ser positiva esta evolução, a análise revela que há países que apresentam uma limitação na actividade científica, como é o caso de São Tomé e Príncipe.

De acordo com o relatório, a que o site MenosFios teve acesso, Angola, por sua vez, mostrou uma actividade científica inferior às expectativas, apesar de ter estado a apresentar um aumento na produção e institucionalização de investigação nos últimos anos.

Além de Moçambique, que é igualmente referido como tendo sido “cada vez mais bem-sucedido na obtenção de financiamento externo e na liderança de propostas internacionais de investigação” e que contabiliza 70% de toda a investigação dos PALOP, também a Guiné-Bissau apresenta “um impacto relativamente elevado de citação”.

Por fim, o estudo feito apurou que os temas abordados pelos investigadores nos diferentes países originou os padrões de especialização que refletem os padrões de incidência local de várias doenças.

Destaque

No items found.

6galeria

Ruth Mungongo

Repórter

Técnica média de Comunicação Social, Ruth é estagiária no portal ONgoma News.

Moçambique destaca-se  com 70% da produção de investigação em ciências da saúde nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), onde esta actividade aumentou, coincidindo a pesquisa com as patologias que mais afectam estes Estados, avança estudo.

Os dados são presentes no Mapeamento da Investigação e Financiamento das Ciências da Saúde, recomendado pela Fundação Gulbenkian, que investiga a evolução da criação científica internacional em ciências da saúde, suas redes de colaboração e fontes de financiamento, de 2008 a 2020, em Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe.

Apesar de ser positiva esta evolução, a análise revela que há países que apresentam uma limitação na actividade científica, como é o caso de São Tomé e Príncipe.

De acordo com o relatório, a que o site MenosFios teve acesso, Angola, por sua vez, mostrou uma actividade científica inferior às expectativas, apesar de ter estado a apresentar um aumento na produção e institucionalização de investigação nos últimos anos.

Além de Moçambique, que é igualmente referido como tendo sido “cada vez mais bem-sucedido na obtenção de financiamento externo e na liderança de propostas internacionais de investigação” e que contabiliza 70% de toda a investigação dos PALOP, também a Guiné-Bissau apresenta “um impacto relativamente elevado de citação”.

Por fim, o estudo feito apurou que os temas abordados pelos investigadores nos diferentes países originou os padrões de especialização que refletem os padrões de incidência local de várias doenças.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form