Internacional
Corrupção

Ministério Público da Coreia do Sul pede 12 anos de prisão para herdeiro da Samsung

 Ministério Público da Coreia do Sul pede 12 anos de prisão para herdeiro da Samsung
Foto por:
vídeo por:
DR

O Ministério Público sul-coreano pediu hoje a condenação do herdeiro do gigante Samsung a 12 anos de prisão pelo seu papel no escândalo de corrupção que levou à destituição da ex-Presidente Park Geun-hye, noticiou a Reuters.

Lee Jae-yong, de 49 anos, vice-presidente da Samsung Electronics e filho do presidente do grupo Samsung foi acusado de ter pagado 38 milhões de dólares (cerca de 32 milhões de euros) em subornos à confidente de Park, Choi Soon-sil.

Conhecida como "Rasputina", Choi Soon-sil é a figura central no escândalo de corrupção e tráfico de influências que abalou a Coreia do Sule e levou à destituição da ex-Presidente Park, primeira mulher eleita para o cargo.

Segundo a acusação, esses pagamentos teriam sido efectuados pela Samsung para obter "luz verde" do Governo para a fusão controversa entre a C&T e a Cheil Industries, em 2015. A fusão foi denunciada por vários accionistas.

Lee, que se tornou no patrão de facto da Samsung, depois de o pai ter sofrido um ataque de coração em 2014, negou todas as acusações contra si

6galeria

Redacção

O Ministério Público sul-coreano pediu hoje a condenação do herdeiro do gigante Samsung a 12 anos de prisão pelo seu papel no escândalo de corrupção que levou à destituição da ex-Presidente Park Geun-hye, noticiou a Reuters.

Lee Jae-yong, de 49 anos, vice-presidente da Samsung Electronics e filho do presidente do grupo Samsung foi acusado de ter pagado 38 milhões de dólares (cerca de 32 milhões de euros) em subornos à confidente de Park, Choi Soon-sil.

Conhecida como "Rasputina", Choi Soon-sil é a figura central no escândalo de corrupção e tráfico de influências que abalou a Coreia do Sule e levou à destituição da ex-Presidente Park, primeira mulher eleita para o cargo.

Segundo a acusação, esses pagamentos teriam sido efectuados pela Samsung para obter "luz verde" do Governo para a fusão controversa entre a C&T e a Cheil Industries, em 2015. A fusão foi denunciada por vários accionistas.

Lee, que se tornou no patrão de facto da Samsung, depois de o pai ter sofrido um ataque de coração em 2014, negou todas as acusações contra si

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form