Arte e Cultura
Exposição

“Mentores” abre exibições de 2019 na Galeria Tamar Golan

“Mentores” abre exibições de 2019 na Galeria Tamar Golan
Foto por:
vídeo por:
DR

O artista angolano Guilherme Mampuya vai inaugurar, na próxima sexta-feira, dia 25, a sua exposição individual “Mentores”, na Galeria Tamar Golan, da Fundação Arte e Cultura, numa data em que se assinala o Dia da Cidade de Luanda e a fundação comemora o seu 13º aniversário.

A amostra dará também abertura à programação de 2019 do espaço, onde o criador presta homenagem aos clássicos que o inspiram.

Com um trabalho que aposta no valor da metáfora através de várias simbologias, onde a cor traduz a alegria da obra, Mampuya define-se como um artista figurativo e expressionista e considera a sua inspiração um processo complexo de criatividade que lhe surge na mente.

“O artista busca em tudo o que vê e é um produto de várias escolas”, costuma dizer. Há quem afirme que Mampuya é resultado da mistura de três grandes estilos, o cubismo de Pablo Picasso, o surrealismo de Salvador Dali e os rabiscos de Jean Dubuffet, que se revêem nos seus trabalhos e que, juntando-os, produzem as suas obras.

“É que, ao preparar esta exposição, dei por mim a revisitar os clássicos que me têm inspirado ao longo da minha carreira, aqueles e outros, de Miguel Ângelo a Gustav Klimt e Keith Haring, sem esquecer Malangatana e Avelino Kenga. Esta é uma exposição totalmente nova e inédita, e que surgiu da necessidade de prestar homenagem aos artistas que me inspiraram e inspiram”, explicou o artista, citado no comunicado que recebemos.

A exposição ficará patente ao público até ao dia 18 de Fevereiro deste ano.

6galeria

Redacção

O artista angolano Guilherme Mampuya vai inaugurar, na próxima sexta-feira, dia 25, a sua exposição individual “Mentores”, na Galeria Tamar Golan, da Fundação Arte e Cultura, numa data em que se assinala o Dia da Cidade de Luanda e a fundação comemora o seu 13º aniversário.

A amostra dará também abertura à programação de 2019 do espaço, onde o criador presta homenagem aos clássicos que o inspiram.

Com um trabalho que aposta no valor da metáfora através de várias simbologias, onde a cor traduz a alegria da obra, Mampuya define-se como um artista figurativo e expressionista e considera a sua inspiração um processo complexo de criatividade que lhe surge na mente.

“O artista busca em tudo o que vê e é um produto de várias escolas”, costuma dizer. Há quem afirme que Mampuya é resultado da mistura de três grandes estilos, o cubismo de Pablo Picasso, o surrealismo de Salvador Dali e os rabiscos de Jean Dubuffet, que se revêem nos seus trabalhos e que, juntando-os, produzem as suas obras.

“É que, ao preparar esta exposição, dei por mim a revisitar os clássicos que me têm inspirado ao longo da minha carreira, aqueles e outros, de Miguel Ângelo a Gustav Klimt e Keith Haring, sem esquecer Malangatana e Avelino Kenga. Esta é uma exposição totalmente nova e inédita, e que surgiu da necessidade de prestar homenagem aos artistas que me inspiraram e inspiram”, explicou o artista, citado no comunicado que recebemos.

A exposição ficará patente ao público até ao dia 18 de Fevereiro deste ano.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form