Actualidade
Brexit

May vence moção de censura

May vence moção de censura
Foto por:
vídeo por:
DR

A vitória de Theresa May sobre a moção de censura, lançada por seu próprio partido, lhe permite continuar defendendo o acordo do Brexit que negociou com a UE.

Depois da prova de fogo da moção de censura, a primeira-ministra britânica mantém a liderança do Partido Conservador e do Governo, com o voto favorável de 200 deputados, contra 117.

O sufrágio decorreu em Westminster, entre as 18h e as 20h locais, por voto secreto. Para ganhar, May teria de ter do seu lado metade dos deputados conservadores mais um, o que perfaz um total de 159 votos.

A moção de censura foi lançada por 48 eurocéticos do Partido Conservador, descontentes com o rumo do Brexit, nomeadamente com a possibilidade de a Irlanda do Norte permanecer na União Aduaneira, quando o Reino Unido abandona o bloco comunitário. Com os resultados da votação, a primeira-ministra vê a liderança do partido e do Governo reforçada, noticiou à Euronews.

Pouco depois de o resultado ter sido divulgado pelo Presidente do Comité dos Membros do Partido Conservador, Graham Brady, Theresa May reagiu, numa declaração pública. Com quase dois terços do partido do seu lado, a primeira-ministra prometeu concretizar a implementação do acordo para o Brexit.

A primeira-ministra termina a nova rodada de seus contactos com os líderes europeus em busca de garantias adicionais e submete o acordo ao Parlamento. Depois de anular a sessão de ratificação prevista para esta terça, May anunciou que a nova votação acontecerá antes de 21 de Janeiro.

Fortalecida por sua vitória e diante do temor de um Brexit sem acordo, talvez consiga o apoio de uma maioria de deputados, o que levaria a um Brexit tranquilo, com um período de transição inicialmente previsto até o final de 2020, mas ampliável até 2022.

Entretanto, se os deputados rejeitarem o texto, o governo deverá anunciar, em até 21 dias, o que pretende fazer.

Segundo um outro órgão de comunicação AFP, a rejeição ao acordo pode marcar o fim definitivo de May, que pode renunciar se uma maioria esmagadora enterrar seu texto, ou convocar eleições gerais antecipadas.








6galeria

Redacção

A vitória de Theresa May sobre a moção de censura, lançada por seu próprio partido, lhe permite continuar defendendo o acordo do Brexit que negociou com a UE.

Depois da prova de fogo da moção de censura, a primeira-ministra britânica mantém a liderança do Partido Conservador e do Governo, com o voto favorável de 200 deputados, contra 117.

O sufrágio decorreu em Westminster, entre as 18h e as 20h locais, por voto secreto. Para ganhar, May teria de ter do seu lado metade dos deputados conservadores mais um, o que perfaz um total de 159 votos.

A moção de censura foi lançada por 48 eurocéticos do Partido Conservador, descontentes com o rumo do Brexit, nomeadamente com a possibilidade de a Irlanda do Norte permanecer na União Aduaneira, quando o Reino Unido abandona o bloco comunitário. Com os resultados da votação, a primeira-ministra vê a liderança do partido e do Governo reforçada, noticiou à Euronews.

Pouco depois de o resultado ter sido divulgado pelo Presidente do Comité dos Membros do Partido Conservador, Graham Brady, Theresa May reagiu, numa declaração pública. Com quase dois terços do partido do seu lado, a primeira-ministra prometeu concretizar a implementação do acordo para o Brexit.

A primeira-ministra termina a nova rodada de seus contactos com os líderes europeus em busca de garantias adicionais e submete o acordo ao Parlamento. Depois de anular a sessão de ratificação prevista para esta terça, May anunciou que a nova votação acontecerá antes de 21 de Janeiro.

Fortalecida por sua vitória e diante do temor de um Brexit sem acordo, talvez consiga o apoio de uma maioria de deputados, o que levaria a um Brexit tranquilo, com um período de transição inicialmente previsto até o final de 2020, mas ampliável até 2022.

Entretanto, se os deputados rejeitarem o texto, o governo deverá anunciar, em até 21 dias, o que pretende fazer.

Segundo um outro órgão de comunicação AFP, a rejeição ao acordo pode marcar o fim definitivo de May, que pode renunciar se uma maioria esmagadora enterrar seu texto, ou convocar eleições gerais antecipadas.








Redacção

Licenciado em Gestão e Administração pela Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto, Félix Abias é um jornalista angolano que explora temas ligados à política e economia local. Actualmente trabalha para o Grupo Média Rumo

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form