Internacional
Crise humanitária

Mais de um milhão de somalis fugiram da seca e dos confitos este ano

Mais de um milhão de somalis fugiram da seca e dos confitos este ano
Foto por:
vídeo por:
DR

Mais de um milhão de pessoas fugiram de casa este ano devido à grave seca e ao conflito na Somália, onde mais de 6,2 milhões de pessoas precisam de ajuda, divulgou hoje o Conselho de Refugiados Norueguês (NRC). 

Segundo a organização, mais de 3,1 milhões estão em situação crítica e 388.000 menores de 5 anos sofrem de má nutrição grave, avançou Mundo ao Minuto.

"Estamos alarmados com a dimensão desta crise, na qual cerca de 3.500 pessoas fogem por dia das suas casas à procura de comida e água para se manterem vivas", disse a diretora regional do NRC, Gabriella Waaijman, que comparou este êxodo em massa à última crise de fome no país em 2011, quando morreram 260.000 pessoas.

Apenas no mês de setembro, cerca de 49.000 pessoas fugiram das suas casas, a maioria para campos situados nas zonas urbanas.

Muitas comunidades rurais da Somália converteram-se em cidades-fantasma depois do fracasso das colheitas e da morte do gado, que deixaram a população sem reserva de alimentos.

Várias organizações internacionais insistem, no entanto, que com o apoio financeiro ainda se está a tempo de evitar que se repita a situação de emergência humanitária que se viveu em 2011.

Apesar de a seca ser a principal causa da deslocação de pessoas na Somália este ano, a atividade do grupo terrorista Al-Shebab, que pretende instaurar um Estado islâmico, também provocou um elevado número de deslocados.

No sábado, um duplo atentado com camiões armadilhados matou mais de 300 pessoas na capital somali, Mogadíscio.

6galeria

Redacção

Mais de um milhão de pessoas fugiram de casa este ano devido à grave seca e ao conflito na Somália, onde mais de 6,2 milhões de pessoas precisam de ajuda, divulgou hoje o Conselho de Refugiados Norueguês (NRC). 

Segundo a organização, mais de 3,1 milhões estão em situação crítica e 388.000 menores de 5 anos sofrem de má nutrição grave, avançou Mundo ao Minuto.

"Estamos alarmados com a dimensão desta crise, na qual cerca de 3.500 pessoas fogem por dia das suas casas à procura de comida e água para se manterem vivas", disse a diretora regional do NRC, Gabriella Waaijman, que comparou este êxodo em massa à última crise de fome no país em 2011, quando morreram 260.000 pessoas.

Apenas no mês de setembro, cerca de 49.000 pessoas fugiram das suas casas, a maioria para campos situados nas zonas urbanas.

Muitas comunidades rurais da Somália converteram-se em cidades-fantasma depois do fracasso das colheitas e da morte do gado, que deixaram a população sem reserva de alimentos.

Várias organizações internacionais insistem, no entanto, que com o apoio financeiro ainda se está a tempo de evitar que se repita a situação de emergência humanitária que se viveu em 2011.

Apesar de a seca ser a principal causa da deslocação de pessoas na Somália este ano, a atividade do grupo terrorista Al-Shebab, que pretende instaurar um Estado islâmico, também provocou um elevado número de deslocados.

No sábado, um duplo atentado com camiões armadilhados matou mais de 300 pessoas na capital somali, Mogadíscio.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form