Arte e Cultura
Entrudo

Lobito: Participação de grupos ao Carnaval condicionada pela falta de patrocínio

Lobito: Participação de grupos ao Carnaval condicionada pela falta de patrocínio
Foto por:
vídeo por:
DR

Devido à falta de patrocínios, grupos carnavalescos da cidade do Lobito, na província de Benguela, enfrentam constrangimentos na preparação para o desfile do Entrudo, marcado para o dia 5 de Março próximo.

As queixas foram apresentadas por Manuel Dala, responsável do histórico grupo Luz e Água, de maior referência no Lobito, desde a era colonial, que disse estar a necessitar de 700 mil kwanzas para a compra da indumentária, dísticos, batuques e outros meios sonoros, assim como a logística para apoio do pessoal.

Até ao momento, segundo o responsável, a agremiação aguarda o patrocínio da Empresa de Distribuição de Energia (ENDE), que prometeu assegurar a compra de tecidos e o pagamento para confecção da indumentária.

Acrescentou que se espera, também, os patrocínios do Entreposto e de algumas concessionárias automóveis, mas que ainda não se pronunciaram, apesar das promessas feitas.

Apesar das incertezas que rodeiam o grupo, Manuel Dala apontou ser objectivo classificar-se entre os primeiros lugares, com cerca de 200 figurantes, levando para o Carnaval o habitual estilo de dança kazucuta e tendo como lema “O saneamento básico ”.

Para ele, a escolha deste tema para o desfile deste ano visa chamar atenção das autoridades do município do Lobito no sentido de serem mais audazes na resolução deste problema.

Menos aflito está o grupo Unidos do Lobito, vencedor municipal das últimas quatro edições, já que, segundo o seu responsável, Beleza Capapelo, já receberam um milhão de kwanzas do Porto do Lobito e outros cem mil kwanzas do Caminho de Ferro de Benguela, para a compra de material, tanto para o grupo de adultos, quanto o infantil.

Beleza Capapelo lembrou, em declarações à Angop, que o Unidos do Lobito necessitaria de um milhão de kwanzas só para o grupo de adultos e quinhentos mil kwanzas para a classe infantil, para uma preparação condigna que serviria de “mola impulsionadora” para uma boa performance, durante o desfile.

O Unidos do Lobito, resultante da fusão do antigo grupo Beira-Mar, igualmente da era colonial, com o Bloco Branco, de animação, terá como lema para este ano “Lobito, sala de visitas de Angola”, como explicou a fonte.

Quanto à coreografia, referiu que vai apresentar os estilos de dança cabetula e o semba e conta com 400 figurantes para os adultos e 200 para o grupo infantil.

Além dos grupos Luz e Água e Unidos do Lobito, irão exibir-se no desfile deste ano, no Lobito, a Voz do Golfo,  Gritos pela Paz, 17 de Setembro, Mãe África e a Amotrang, sendo que os blocos Branco e Azul, na vertente de animação, serão os grandes ausentes, por dificuldades financeiras.

6galeria

Redacção

Devido à falta de patrocínios, grupos carnavalescos da cidade do Lobito, na província de Benguela, enfrentam constrangimentos na preparação para o desfile do Entrudo, marcado para o dia 5 de Março próximo.

As queixas foram apresentadas por Manuel Dala, responsável do histórico grupo Luz e Água, de maior referência no Lobito, desde a era colonial, que disse estar a necessitar de 700 mil kwanzas para a compra da indumentária, dísticos, batuques e outros meios sonoros, assim como a logística para apoio do pessoal.

Até ao momento, segundo o responsável, a agremiação aguarda o patrocínio da Empresa de Distribuição de Energia (ENDE), que prometeu assegurar a compra de tecidos e o pagamento para confecção da indumentária.

Acrescentou que se espera, também, os patrocínios do Entreposto e de algumas concessionárias automóveis, mas que ainda não se pronunciaram, apesar das promessas feitas.

Apesar das incertezas que rodeiam o grupo, Manuel Dala apontou ser objectivo classificar-se entre os primeiros lugares, com cerca de 200 figurantes, levando para o Carnaval o habitual estilo de dança kazucuta e tendo como lema “O saneamento básico ”.

Para ele, a escolha deste tema para o desfile deste ano visa chamar atenção das autoridades do município do Lobito no sentido de serem mais audazes na resolução deste problema.

Menos aflito está o grupo Unidos do Lobito, vencedor municipal das últimas quatro edições, já que, segundo o seu responsável, Beleza Capapelo, já receberam um milhão de kwanzas do Porto do Lobito e outros cem mil kwanzas do Caminho de Ferro de Benguela, para a compra de material, tanto para o grupo de adultos, quanto o infantil.

Beleza Capapelo lembrou, em declarações à Angop, que o Unidos do Lobito necessitaria de um milhão de kwanzas só para o grupo de adultos e quinhentos mil kwanzas para a classe infantil, para uma preparação condigna que serviria de “mola impulsionadora” para uma boa performance, durante o desfile.

O Unidos do Lobito, resultante da fusão do antigo grupo Beira-Mar, igualmente da era colonial, com o Bloco Branco, de animação, terá como lema para este ano “Lobito, sala de visitas de Angola”, como explicou a fonte.

Quanto à coreografia, referiu que vai apresentar os estilos de dança cabetula e o semba e conta com 400 figurantes para os adultos e 200 para o grupo infantil.

Além dos grupos Luz e Água e Unidos do Lobito, irão exibir-se no desfile deste ano, no Lobito, a Voz do Golfo,  Gritos pela Paz, 17 de Setembro, Mãe África e a Amotrang, sendo que os blocos Branco e Azul, na vertente de animação, serão os grandes ausentes, por dificuldades financeiras.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form