Actualidade
Política

“Líderes africanos devem agir como filhos deste continente”, defende bispo tocoista

“Líderes africanos devem agir como filhos deste continente”, defende bispo tocoista
Foto por:
vídeo por:
DR

O bispo da Igreja Tocoista, Afonso Nunes,  defendeu a necessidade de homens, mulheres  e lideres  políticos  terem uma alma africana, pensarem como africanos e agirem como filhos deste continente, sendo pessoas íntegras, em que a unidade e o amor sejam os princípios que norteiem a sua conduta.

O líder religioso, que falou por ocasião da visita de prospecção a Angola, de uma delegação de especialistas proveniente dos Estados Unidos da América, que decorre desde o dia 2 e vai até 13 deste mês, com o objectivo de contribuir em diversas áreas do desenvolvimento do país, transmitindo conhecimentos, disse que os africanos devem trabalhar na defesa do desenvolvimento do continente  em todas  as latitudes,   quer na religião, economia, politica, cultura ou outras áreas que compõem a vida  humana.

“Infelizmente, até hoje ainda temos muita gente africana que não tem alma africana e muitas delas são as que têm a sorte de serem dirigentes e quando assim acontece a nossa expectativa continuará a ser gorada e continuaremos a ser pobres e a ter filhos que não conseguem ter as três refeições por dia, mas vivendo num  território rico”, lamentou.   

A comitiva, constituída por 11 personalidades afro-americanas formadas nas áreas da educação, empreendedorismo, medicina e religião, para além de procurarem tomar contacto com a origem dos seus antepassados, pretendem investir no  continente africano, com o intuito de esta parcela do planeta  estar em pé de igualdade  com as outras.

 Os especialistas, que se encontram no país a convite da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo no Mundo  (Tocoista), agradeceram os esforços desta congregação religiosa junto das autoridades angolanas, para permitir que os mesmos pudessem regressar às suas raízes.

 Em declarações à imprensa, a presidente da Associação  de Mulheres afro-americanas,  Jacqueline  Kakembo, afirmou que vêm a Angola com o objectivo de  transmitirem  os conhecimentos que possuem em  diversas áreas do saber aos africanos, para que possam desenvolver o continente.

 Referiu, citada pela Angop, que a intenção da delegação nada tem a ver com  os cidadãos que se deslocam a diversos países africanos simplesmente para explorar os seus minerais e levá-los para outros continentes para serem transformados.

 A especialista é de  opinião que as riquezas de  África devem ser usadas para o desenvolvimento do continente, ao invés do que ocorre actualmente.

Neste âmbito, o bispo Afonso Nunes manifestou-se satisfeito pelo intercâmbio que estão a manter com os especialistas norte-americanos, que considerou serem filhos de África por terem pretensões de  transmitirem os seus conhecimentos aos  habitantes deste continente.

6galeria

Redacção

O bispo da Igreja Tocoista, Afonso Nunes,  defendeu a necessidade de homens, mulheres  e lideres  políticos  terem uma alma africana, pensarem como africanos e agirem como filhos deste continente, sendo pessoas íntegras, em que a unidade e o amor sejam os princípios que norteiem a sua conduta.

O líder religioso, que falou por ocasião da visita de prospecção a Angola, de uma delegação de especialistas proveniente dos Estados Unidos da América, que decorre desde o dia 2 e vai até 13 deste mês, com o objectivo de contribuir em diversas áreas do desenvolvimento do país, transmitindo conhecimentos, disse que os africanos devem trabalhar na defesa do desenvolvimento do continente  em todas  as latitudes,   quer na religião, economia, politica, cultura ou outras áreas que compõem a vida  humana.

“Infelizmente, até hoje ainda temos muita gente africana que não tem alma africana e muitas delas são as que têm a sorte de serem dirigentes e quando assim acontece a nossa expectativa continuará a ser gorada e continuaremos a ser pobres e a ter filhos que não conseguem ter as três refeições por dia, mas vivendo num  território rico”, lamentou.   

A comitiva, constituída por 11 personalidades afro-americanas formadas nas áreas da educação, empreendedorismo, medicina e religião, para além de procurarem tomar contacto com a origem dos seus antepassados, pretendem investir no  continente africano, com o intuito de esta parcela do planeta  estar em pé de igualdade  com as outras.

 Os especialistas, que se encontram no país a convite da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo no Mundo  (Tocoista), agradeceram os esforços desta congregação religiosa junto das autoridades angolanas, para permitir que os mesmos pudessem regressar às suas raízes.

 Em declarações à imprensa, a presidente da Associação  de Mulheres afro-americanas,  Jacqueline  Kakembo, afirmou que vêm a Angola com o objectivo de  transmitirem  os conhecimentos que possuem em  diversas áreas do saber aos africanos, para que possam desenvolver o continente.

 Referiu, citada pela Angop, que a intenção da delegação nada tem a ver com  os cidadãos que se deslocam a diversos países africanos simplesmente para explorar os seus minerais e levá-los para outros continentes para serem transformados.

 A especialista é de  opinião que as riquezas de  África devem ser usadas para o desenvolvimento do continente, ao invés do que ocorre actualmente.

Neste âmbito, o bispo Afonso Nunes manifestou-se satisfeito pelo intercâmbio que estão a manter com os especialistas norte-americanos, que considerou serem filhos de África por terem pretensões de  transmitirem os seus conhecimentos aos  habitantes deste continente.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form