Sociedade
Responsabilidade Social

Jovens largam mundo da criminalidade graças ao projecto “Eu acredito”

Jovens largam mundo da criminalidade graças ao projecto “Eu acredito”
Foto por:
vídeo por:
DR

Mais de 100 jovens, que anteriormente estavam associados ao mundo da criminalidade, conseguiram emprego, no município do Cazenga, graça a um projecto social, denominado “Eu acredito”, promovido pela administração do Mercado do Asa Branca.

O projecto é de inclusão social e visa retirar os jovens do mundo da criminalidade e inseri-los no mercado de emprego, com vista à melhoria das suas condições de vida, informou à Polícia Nacional o administrador daquele mercado, Cláudio Inocêncio.

Naquele espaço de comércio, de acordo com o responsável, os ex-marginais encontram-se inseridos nas áreas de fiscalização, peixaria, jardinagem, segurança, beleza, comércio e construção, como é o caso de Irdino Manuel Bernardo, um dos beneficiários, que enaltece o trabalho da administração do Mercado, que tem sido para si uma mola impulsionadora para que muitos jovens abandonem a criminalidade.

Para o agora jardineiro, com o salário que ganha condignamente, consegue sustentar a sua família. “Estou feliz pela vida que o projecto me deu. Hoje, sou um homem honesto e consigo sustentar a minha família condignamente”, testemunhou.

Ciquentinha, citado na nota da Polícia Nacional, é o outro jovem que esteve associado ao mundo da delinquência. Hoje é um trabalhador honesto e ganha a vida auxiliando o trabalho das peixeiras. “Estou agradecido por este projecto que me deu a dignidade de homem honesto e trabalhador”.

Entretanto, a par deste projecto de combate à marginalidade, decorre um outro de alfabetização, que tem dado oportunidades a jovens para aprenderem a ler e a escrever, tendo já alfabetizado 40 pessoas, entre vendedores e funcionários.

O jovem António Alfredo é beneficiário dos dois projectos. É agora fiscal do Asa Branca e diz estar satisfeito com esta nova faceta da sua vida, que o faz deixar para trás as acções criminosas, praticadas anteriormente.

“Hoje já sei ler e escrever. Anteriormente levava uma vida muito perigosa, mas agora faço um trabalho que me dá dignidade. Estou na área da fiscalização”, referiu.

6galeria

Redacção

Mais de 100 jovens, que anteriormente estavam associados ao mundo da criminalidade, conseguiram emprego, no município do Cazenga, graça a um projecto social, denominado “Eu acredito”, promovido pela administração do Mercado do Asa Branca.

O projecto é de inclusão social e visa retirar os jovens do mundo da criminalidade e inseri-los no mercado de emprego, com vista à melhoria das suas condições de vida, informou à Polícia Nacional o administrador daquele mercado, Cláudio Inocêncio.

Naquele espaço de comércio, de acordo com o responsável, os ex-marginais encontram-se inseridos nas áreas de fiscalização, peixaria, jardinagem, segurança, beleza, comércio e construção, como é o caso de Irdino Manuel Bernardo, um dos beneficiários, que enaltece o trabalho da administração do Mercado, que tem sido para si uma mola impulsionadora para que muitos jovens abandonem a criminalidade.

Para o agora jardineiro, com o salário que ganha condignamente, consegue sustentar a sua família. “Estou feliz pela vida que o projecto me deu. Hoje, sou um homem honesto e consigo sustentar a minha família condignamente”, testemunhou.

Ciquentinha, citado na nota da Polícia Nacional, é o outro jovem que esteve associado ao mundo da delinquência. Hoje é um trabalhador honesto e ganha a vida auxiliando o trabalho das peixeiras. “Estou agradecido por este projecto que me deu a dignidade de homem honesto e trabalhador”.

Entretanto, a par deste projecto de combate à marginalidade, decorre um outro de alfabetização, que tem dado oportunidades a jovens para aprenderem a ler e a escrever, tendo já alfabetizado 40 pessoas, entre vendedores e funcionários.

O jovem António Alfredo é beneficiário dos dois projectos. É agora fiscal do Asa Branca e diz estar satisfeito com esta nova faceta da sua vida, que o faz deixar para trás as acções criminosas, praticadas anteriormente.

“Hoje já sei ler e escrever. Anteriormente levava uma vida muito perigosa, mas agora faço um trabalho que me dá dignidade. Estou na área da fiscalização”, referiu.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form