Arte e Cultura
Esclarecimento

Jacinto Tchipa está bem de saúde

Jacinto Tchipa  está bem de saúde
Foto por:
vídeo por:
DR

O músico angolano Jacinto Tchipa garantiu, nesta quarta-feira, em Luanda, estar bem de saúde, contrariando informações postas a circular nas redes sociais sobre o agravamento do seu estado de saúde.

O artista avançou que as informações sobre o agravamento do seu estado clínico e a incapacidade financeira são falsas, considerando um insulto e desrespeito à sua imagem e lamentou o facto de o seu nome estar a ser usado de forma abusiva e por estar a ser visto como pedinte de rua.

À Angop, revelou sofrer de hipertensão e problema cardíaco, o que o obrigou, após o diagnóstico médico, em 2017, a uma cirurgia cardíaca e ao uso de um marcapasso (aparelho colocado junto ao coração para regular os batimentos cardíacos).

Após seis meses de internamento em Luanda, o músico deslocou-se à África do Sul, em Novembro de 2018, a fim de realizar tratamento. A viagem e as consultas foram pagas pelo Ministério da Defesa, instituição onde trabalha.

Informou ter recebido apoios da Assembleia Nacional (foi deputado na antiga Assembleia do Povo durante 16 anos), da Casa Militar da Presidência da República, entre outros organismos.

Jacinto Tchipa notabilizou-se no mercado nacional durante a década de 80, em que foi vencedor, duas vezes consecutivas (1986 e 1987), do concurso "Top dos Mais Queridos", organizado pela Rádio Nacional de Angola (RNA).

O músico nasceu em 1958, na Caála, província do Huambo, e começou a sua carreira artística em 1973, quando gravou o primeiro disco de vinil “África”. Temas como “Maié Maié”, “Kumbi Lianda”, “Sissi Ola” e “Tchivale Tchivale” constam do repertório do artista.

Lançou três discos em vinil na década de 80, intitulados “A Cartinha do Soldado”, “Sissi Ola” e “Reconstrução Nacional”, e já nos anos 90 “Os Meus Sucessos” e “África”.

6galeria

Redacção

O músico angolano Jacinto Tchipa garantiu, nesta quarta-feira, em Luanda, estar bem de saúde, contrariando informações postas a circular nas redes sociais sobre o agravamento do seu estado de saúde.

O artista avançou que as informações sobre o agravamento do seu estado clínico e a incapacidade financeira são falsas, considerando um insulto e desrespeito à sua imagem e lamentou o facto de o seu nome estar a ser usado de forma abusiva e por estar a ser visto como pedinte de rua.

À Angop, revelou sofrer de hipertensão e problema cardíaco, o que o obrigou, após o diagnóstico médico, em 2017, a uma cirurgia cardíaca e ao uso de um marcapasso (aparelho colocado junto ao coração para regular os batimentos cardíacos).

Após seis meses de internamento em Luanda, o músico deslocou-se à África do Sul, em Novembro de 2018, a fim de realizar tratamento. A viagem e as consultas foram pagas pelo Ministério da Defesa, instituição onde trabalha.

Informou ter recebido apoios da Assembleia Nacional (foi deputado na antiga Assembleia do Povo durante 16 anos), da Casa Militar da Presidência da República, entre outros organismos.

Jacinto Tchipa notabilizou-se no mercado nacional durante a década de 80, em que foi vencedor, duas vezes consecutivas (1986 e 1987), do concurso "Top dos Mais Queridos", organizado pela Rádio Nacional de Angola (RNA).

O músico nasceu em 1958, na Caála, província do Huambo, e começou a sua carreira artística em 1973, quando gravou o primeiro disco de vinil “África”. Temas como “Maié Maié”, “Kumbi Lianda”, “Sissi Ola” e “Tchivale Tchivale” constam do repertório do artista.

Lançou três discos em vinil na década de 80, intitulados “A Cartinha do Soldado”, “Sissi Ola” e “Reconstrução Nacional”, e já nos anos 90 “Os Meus Sucessos” e “África”.

Redacção

Licenciado em Gestão e Administração pela Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto, Félix Abias é um jornalista angolano que explora temas ligados à política e economia local. Actualmente trabalha para o Grupo Média Rumo

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form