Actualidade
Solidariedade

Fundação Arte e Cultura oficializa Dia das Boas Acções em Angola

Fundação Arte e Cultura oficializa Dia das Boas Acções em Angola
Foto por:
vídeo por:
Andrade Lino

A Fundação Arte e Cultura apresentou, na semana passada, oficialmente, o Dia das Boas Acções, um movimento global de voluntariado que abrange milhões de voluntários em mais de 100 países.

A iniciativa, que está aberta a todos os cidadãos, individualmente ou em grupo, instituições, empresas, ONGs e outras entidades, visando promover o voluntariado, realizar-se-á pela primeira vez em Angola, no próximo ano, fruto de uma parceria entre a instituição e a TheBridgeGlobal, empresa angolana especializada em responsabilidade social e educação cívica e que teve a seu cargo a organização do Fórum de Responsabilidade Social e Cidadania, que já vai na sua segunda edição.

Desde o início em 2007, em Israel, o Good Deeds Day cresceu de “apenas” 7.000 voluntários naquele país do Médio Oriente para uma escala global, e em 2018, com 3.500.000 de voluntários de 100 países, a participarem em mais de 20.000 projectos, com um total de cerca de 7 milhões de horas de voluntariado.

Criado com o objectivo de incentivar o voluntariado, o Dia das Boas Acções começou a tornar-se global com o surgimento, em 2011, de centenas de projectos em 10 cidades de vários países, incluindo os EUA, a Polónia e a Ucrânia. No ano seguinte, o impacto deste “Dia Internacional do Voluntariado” foi ainda maior, com a MTV Global a lançar uma campanha de seis semanas nas suas plataformas on-line e televisivas, expondo a mensagem do dia a mais de 24 milhões de pessoas ao redor do mundo.

Em 2013, foram 16.000 os voluntários a fazerem parte de centenas de projectos em 50 países e a rede de televisão ABC, de Nova Iorque, a fazer uma cobertura em larga escala. Em 2014, a comemoração duplicou o seu alcance graças à exposição mediática e à colaboração com organizações de voluntariado em dezenas de países, numa campanha global que envolveu televisão, rádio e redes sociais.

Nesse ano, meio milhão de pessoas participaram no Dia das Boas Acções em todo o mundo, e à medida que o impacto da iniciativa foi aumentando, cresceu também o número de personalidades influentes a abraçar a iniciativa, culminando, em 2015, com a bênção do Papa Francisco, em Roma.

Em África, o Dia das Boas Acções tem vindo a acompanhar o crescimento registado um pouco por todo o mundo, desde que, em 2013, o Uganda se tornou no primeiro país a aderir ao movimento no Continente, onde até a data se realizaram centenas de projectos com milhares de voluntários em 22 países, do Gana à Etiópia e da Argélia à África do Sul. Em Agosto, teve lugar em Joanesburgo a I GDD Africa Regional Conference, na qual participaram 45 delegados em representação de organizações de 15 países, incluindo a Fundação Arte e Cultura, que levou à conferência a bandeira de Angola.

Em 2019, Angola tornar-se-á assim no 23º país africano a participar no Dia das Boas Acções, marcado, a nível mundial, para o dia 7 de Abril, esperando-se que os números do ano anterior sejam uma vez mais superados. Mais do que um “Dia Internacional do Voluntariado”, o Dia das Boas Acções transformou-se num movimento global que visa promover o voluntariado, não apenas num dia mas durante todo o ano.

Os responsáveis da Fundação Arte e Cultura, citados no comunicado que recebemos, acreditam que a iniciativa tem o potencial e a capacidade de trazer impacto positivo às comunidades e de promover o voluntariado em Angola.

O Coordenador da Fundação, Fernando Ferreira, por seu turno, mostra-se convicto de que “o Dia das Boas Acções será um sucesso no nosso país e que crianças de escola, estudantes, funcionários de muitas empresas e milhares de angolanos estarão unidos com um objectivo: fazer o bem ao próximo”.

Só no dia da apresentação em Luanda foram registados vários projectos para o Dia das Boas Acções Angola 2019, sublinhou o Coordenador da Fundação, sendo um deles na província do Cuanza Sul, o que deixa  a organização muito esperançosa em relação à implantação do projecto a nível nacional.

6galeria

Redacção

A Fundação Arte e Cultura apresentou, na semana passada, oficialmente, o Dia das Boas Acções, um movimento global de voluntariado que abrange milhões de voluntários em mais de 100 países.

A iniciativa, que está aberta a todos os cidadãos, individualmente ou em grupo, instituições, empresas, ONGs e outras entidades, visando promover o voluntariado, realizar-se-á pela primeira vez em Angola, no próximo ano, fruto de uma parceria entre a instituição e a TheBridgeGlobal, empresa angolana especializada em responsabilidade social e educação cívica e que teve a seu cargo a organização do Fórum de Responsabilidade Social e Cidadania, que já vai na sua segunda edição.

Desde o início em 2007, em Israel, o Good Deeds Day cresceu de “apenas” 7.000 voluntários naquele país do Médio Oriente para uma escala global, e em 2018, com 3.500.000 de voluntários de 100 países, a participarem em mais de 20.000 projectos, com um total de cerca de 7 milhões de horas de voluntariado.

Criado com o objectivo de incentivar o voluntariado, o Dia das Boas Acções começou a tornar-se global com o surgimento, em 2011, de centenas de projectos em 10 cidades de vários países, incluindo os EUA, a Polónia e a Ucrânia. No ano seguinte, o impacto deste “Dia Internacional do Voluntariado” foi ainda maior, com a MTV Global a lançar uma campanha de seis semanas nas suas plataformas on-line e televisivas, expondo a mensagem do dia a mais de 24 milhões de pessoas ao redor do mundo.

Em 2013, foram 16.000 os voluntários a fazerem parte de centenas de projectos em 50 países e a rede de televisão ABC, de Nova Iorque, a fazer uma cobertura em larga escala. Em 2014, a comemoração duplicou o seu alcance graças à exposição mediática e à colaboração com organizações de voluntariado em dezenas de países, numa campanha global que envolveu televisão, rádio e redes sociais.

Nesse ano, meio milhão de pessoas participaram no Dia das Boas Acções em todo o mundo, e à medida que o impacto da iniciativa foi aumentando, cresceu também o número de personalidades influentes a abraçar a iniciativa, culminando, em 2015, com a bênção do Papa Francisco, em Roma.

Em África, o Dia das Boas Acções tem vindo a acompanhar o crescimento registado um pouco por todo o mundo, desde que, em 2013, o Uganda se tornou no primeiro país a aderir ao movimento no Continente, onde até a data se realizaram centenas de projectos com milhares de voluntários em 22 países, do Gana à Etiópia e da Argélia à África do Sul. Em Agosto, teve lugar em Joanesburgo a I GDD Africa Regional Conference, na qual participaram 45 delegados em representação de organizações de 15 países, incluindo a Fundação Arte e Cultura, que levou à conferência a bandeira de Angola.

Em 2019, Angola tornar-se-á assim no 23º país africano a participar no Dia das Boas Acções, marcado, a nível mundial, para o dia 7 de Abril, esperando-se que os números do ano anterior sejam uma vez mais superados. Mais do que um “Dia Internacional do Voluntariado”, o Dia das Boas Acções transformou-se num movimento global que visa promover o voluntariado, não apenas num dia mas durante todo o ano.

Os responsáveis da Fundação Arte e Cultura, citados no comunicado que recebemos, acreditam que a iniciativa tem o potencial e a capacidade de trazer impacto positivo às comunidades e de promover o voluntariado em Angola.

O Coordenador da Fundação, Fernando Ferreira, por seu turno, mostra-se convicto de que “o Dia das Boas Acções será um sucesso no nosso país e que crianças de escola, estudantes, funcionários de muitas empresas e milhares de angolanos estarão unidos com um objectivo: fazer o bem ao próximo”.

Só no dia da apresentação em Luanda foram registados vários projectos para o Dia das Boas Acções Angola 2019, sublinhou o Coordenador da Fundação, sendo um deles na província do Cuanza Sul, o que deixa  a organização muito esperançosa em relação à implantação do projecto a nível nacional.

Redacção

Licenciado em Gestão e Administração pela Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto, Félix Abias é um jornalista angolano que explora temas ligados à política e economia local. Actualmente trabalha para o Grupo Média Rumo

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form