Actualidade
Política

“É importante que haja uma articulação e a materialização de acções que visem a melhoria dos órgãos de imprensa”, afirmou Manuel Homem

“É importante que haja uma articulação e a materialização de acções que visem a melhoria dos órgãos de imprensa”, afirmou Manuel Homem
Foto por:
vídeo por:
DR

O ministro das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social, Manuel Homem, afirmou que é importante que haja uma articulação e a materialização de acções que visem a melhoria dos órgãos de imprensa, sendo que o Executivo pretende assegurar que existam menos despedimentos na comunicação social, segundo ainda informou o responsável, ontem, em Luanda.

“Estamos a passar por um período excepcional. Registámos as preocupações e vamos trabalhar junto dos órgãos da Administração do Estado para, nos próximos dias, obtermos uma informação precisa e partilhar com os órgãos”, disse Manuel Homem, que falava no final de visitas às rádios Tocoísta, Mais e MFM, ao jornal O País e à TV Zimbo.

O governante continuou que o Ministério que dirige está a trabalhar num programa que visa identificar que tipo de apoios podem ser canalizados para o sector da Comunicação Social, particularmente para o sector privado. Este trabalho, disse, vai permitir, também, reconhecer as medidas que melhor se adequam ao actual contexto, tendo admitido que o sector atravessa um problema transversal.

“Da avaliação que temos feito nas várias empresas de comunicação social, quer públicas como privadas, identificámos necessidades, o que traduz que precisamos continuar a trabalhar para que possamos encontrar uma solução conjunta para o problema”, referiu Manuel Homem, que durante a visita à Rádio Tocoísta tomou conhecimento de dificuldades de ordem técnica, como a necessidade da inauguração de mais uma estação no Waku Kungo.

No mesmo acto, o director da Rádio Mais, Paulo Gomes, falou da capacitação contínua dos quadros, a fim destes dominarem, cada vez mais, equipamentos de ponta para um melhor funcionamento daquela estação pertencente ao Grupo Media Nova, lê-se no Jornal de Angola.

Paulo Gomes informou que a empresa viu-se obrigada a suspender alguns contratos de trabalho com alguns dos colaboradores, devido à situação que o mundo e o país vivem, em consequência da pandemia da Covid-19.

A suspensão dos contratos foi a medida encontrada para evitar a demissão. O mesmo se deu no jornal "O país", também do mesmo grupo, que, nos últimos meses, tem apostado na comunicação digital, em detrimento da impressa.

6galeria

Redacção

O ministro das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social, Manuel Homem, afirmou que é importante que haja uma articulação e a materialização de acções que visem a melhoria dos órgãos de imprensa, sendo que o Executivo pretende assegurar que existam menos despedimentos na comunicação social, segundo ainda informou o responsável, ontem, em Luanda.

“Estamos a passar por um período excepcional. Registámos as preocupações e vamos trabalhar junto dos órgãos da Administração do Estado para, nos próximos dias, obtermos uma informação precisa e partilhar com os órgãos”, disse Manuel Homem, que falava no final de visitas às rádios Tocoísta, Mais e MFM, ao jornal O País e à TV Zimbo.

O governante continuou que o Ministério que dirige está a trabalhar num programa que visa identificar que tipo de apoios podem ser canalizados para o sector da Comunicação Social, particularmente para o sector privado. Este trabalho, disse, vai permitir, também, reconhecer as medidas que melhor se adequam ao actual contexto, tendo admitido que o sector atravessa um problema transversal.

“Da avaliação que temos feito nas várias empresas de comunicação social, quer públicas como privadas, identificámos necessidades, o que traduz que precisamos continuar a trabalhar para que possamos encontrar uma solução conjunta para o problema”, referiu Manuel Homem, que durante a visita à Rádio Tocoísta tomou conhecimento de dificuldades de ordem técnica, como a necessidade da inauguração de mais uma estação no Waku Kungo.

No mesmo acto, o director da Rádio Mais, Paulo Gomes, falou da capacitação contínua dos quadros, a fim destes dominarem, cada vez mais, equipamentos de ponta para um melhor funcionamento daquela estação pertencente ao Grupo Media Nova, lê-se no Jornal de Angola.

Paulo Gomes informou que a empresa viu-se obrigada a suspender alguns contratos de trabalho com alguns dos colaboradores, devido à situação que o mundo e o país vivem, em consequência da pandemia da Covid-19.

A suspensão dos contratos foi a medida encontrada para evitar a demissão. O mesmo se deu no jornal "O país", também do mesmo grupo, que, nos últimos meses, tem apostado na comunicação digital, em detrimento da impressa.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form