ON/OFF
Política

É hora de cortar gorduras ao Governo

É hora de cortar gorduras ao Governo
Foto por:
vídeo por:
DR

O discurso do emagrecimento do aparelho do Estado angolano é antigo, mas mantém-se actual, na medida em que, por um lado, continua a ser necessária uma optimização das estruturas governativas, e por outro lado, diante de uma crise, poderá ser uma medida acertar reduzir a despesas públicas com a estrutura governativa e mesmo administrativa do país.

Segundo dados publicados na edição do último fim-de-semana do Expansão, o Governo de Angola é um dos vinte maiores do mundo, sendo que apenas dezasseis países têm um número de governantes superior ao nosso, cujo executivo é composto por um chefe de Estado, um vice-presidente e 35 ministros, isso sem contar as cerca de meia centena de secretarias de Estado.

É claro que analisar este assunto apenas do ponto de vista quantitativo é arriscado e reducionista, entretanto, quando se compara a eficiência de governos com estrutura mais light com a dos mais obesos, a conclusão é que, quanto mais reduzida a estrutura, mais eficiente ela é. Felizmente, ao que algumas notícias indicam, neste início de uma nova legislatura está-se pensar seriamente no corte de gorduras ao Governo, o que é um passo importante a ser dado, mas que deve ser acompanhado por uma gestão responsável do erário público, enquanto outros desafios que se impõem ao Governo de João Lourenço.

6galeria

Redacção

O discurso do emagrecimento do aparelho do Estado angolano é antigo, mas mantém-se actual, na medida em que, por um lado, continua a ser necessária uma optimização das estruturas governativas, e por outro lado, diante de uma crise, poderá ser uma medida acertar reduzir a despesas públicas com a estrutura governativa e mesmo administrativa do país.

Segundo dados publicados na edição do último fim-de-semana do Expansão, o Governo de Angola é um dos vinte maiores do mundo, sendo que apenas dezasseis países têm um número de governantes superior ao nosso, cujo executivo é composto por um chefe de Estado, um vice-presidente e 35 ministros, isso sem contar as cerca de meia centena de secretarias de Estado.

É claro que analisar este assunto apenas do ponto de vista quantitativo é arriscado e reducionista, entretanto, quando se compara a eficiência de governos com estrutura mais light com a dos mais obesos, a conclusão é que, quanto mais reduzida a estrutura, mais eficiente ela é. Felizmente, ao que algumas notícias indicam, neste início de uma nova legislatura está-se pensar seriamente no corte de gorduras ao Governo, o que é um passo importante a ser dado, mas que deve ser acompanhado por uma gestão responsável do erário público, enquanto outros desafios que se impõem ao Governo de João Lourenço.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form