Sociedade
Crime

Duas pessoas morrem por disparo na Lunda Norte

Duas pessoas morrem por disparo na Lunda Norte
Foto por:
vídeo por:
DR

Pelo menos duas pessoas morreram e três ficaram feridas, na província da Lunda Norte, na sequência de disparos de armas de fogo efectuados por um agente da segurança privada e um da polícia nacional, na madrugada de domingo.

O facto ocorreu na localidade de Calonda, município do Lucapa, segundo fez saber a delegação provincial do Ministério do Interior angolano.

A primeira vítima mortal foi um garimpeiro alvejado por disparos de um agente de uma empresa de segurança privada, por alegadamente este ter invadido um espaço restrito. O mesmo funcionário fez vários disparos e atingiu também um colega da segurança, que ficou ferido.

De acordo com a fonte policial, a situação gerou tumultos com alguns habitantes daquela localidade, que queriam fazer justiça pelas próprias mãos, tendo a polícia sido chamada a intervir.

Da acção policial para dispersão dos populares, refere o comunicado a que O País teve acesso, resultou a morte de um menor de 10 anos, “vítima de uma bala perdida a cerca de 150 metros do local da arruaça e dois feridos ligeiros”.

“Destruição de viaturas, do imóvel do comandante da polícia local, das instalações do comité comunal do MPLA, partido no poder em Angola, e fogo posto aos escritórios da empresa de segurança privada DSL foram alguns dos resultados da arruaça dos populares”, lê-se no documento.

Neste momento, acrescenta a nota, a situação está calma e controlada, na medida em que foram detidos cerca de 40 cidadãos por desacato às autoridades policiais, bem como o agente da empresa de segurança, que está “sob custódia do Serviço de Investigação Criminal (SIC)”.

6galeria

Redacção

Pelo menos duas pessoas morreram e três ficaram feridas, na província da Lunda Norte, na sequência de disparos de armas de fogo efectuados por um agente da segurança privada e um da polícia nacional, na madrugada de domingo.

O facto ocorreu na localidade de Calonda, município do Lucapa, segundo fez saber a delegação provincial do Ministério do Interior angolano.

A primeira vítima mortal foi um garimpeiro alvejado por disparos de um agente de uma empresa de segurança privada, por alegadamente este ter invadido um espaço restrito. O mesmo funcionário fez vários disparos e atingiu também um colega da segurança, que ficou ferido.

De acordo com a fonte policial, a situação gerou tumultos com alguns habitantes daquela localidade, que queriam fazer justiça pelas próprias mãos, tendo a polícia sido chamada a intervir.

Da acção policial para dispersão dos populares, refere o comunicado a que O País teve acesso, resultou a morte de um menor de 10 anos, “vítima de uma bala perdida a cerca de 150 metros do local da arruaça e dois feridos ligeiros”.

“Destruição de viaturas, do imóvel do comandante da polícia local, das instalações do comité comunal do MPLA, partido no poder em Angola, e fogo posto aos escritórios da empresa de segurança privada DSL foram alguns dos resultados da arruaça dos populares”, lê-se no documento.

Neste momento, acrescenta a nota, a situação está calma e controlada, na medida em que foram detidos cerca de 40 cidadãos por desacato às autoridades policiais, bem como o agente da empresa de segurança, que está “sob custódia do Serviço de Investigação Criminal (SIC)”.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form