Sociedade
Saúde

Desvio de medicamentos nos hospitais pode estar na base do aumento de mortes por malária

Desvio de medicamentos nos hospitais pode estar na base do aumento de mortes por malária
Foto por:
vídeo por:
DR

Angola registou, em seis meses, mais de um milhão e 500 mil casos de malária, que causaram quase três mil óbitos, esta semana a ministra da Saúde, Sílvia Lutukuta, apontando o desvio de medicamentos como uma das causas desse aumento.

De acordo com o portal Voz da América, em termos absolutos, foram notificados 1.527. 238 casos que causaram 2.853 óbitos, dados que ultrapassam os números de 2016, quando se registou a epidemia de febre amarela com 1.392.051 casos.

Entretanto, a governante considera as províncias de Luanda, Benguela, Bié, Lunda Sul, Lunda Norte, Bengo e Huambo, como sendo as endémicas.

Os dados foram apresentados durante o encontro metodológico sobre Malária, em que participam mais de 300 técnicos provenientes das 17 províncias do país.

Na ocasião, a titular da pasta do Ministério da Saúde considerou o desvio de medicamentos como “um dos males que contribuem para a deficiente distribuição dos fármacos em todo o país”.

Por outro lado, o activista social, André Augusto, aponta como causas dos actuais níveis de prevalência de malária no país “o fraco controlo dos fundos alocados ao sector e a falta de humanização dos serviços de saúde”.

6galeria

Pedro Kididi

Jornalista

Angola registou, em seis meses, mais de um milhão e 500 mil casos de malária, que causaram quase três mil óbitos, esta semana a ministra da Saúde, Sílvia Lutukuta, apontando o desvio de medicamentos como uma das causas desse aumento.

De acordo com o portal Voz da América, em termos absolutos, foram notificados 1.527. 238 casos que causaram 2.853 óbitos, dados que ultrapassam os números de 2016, quando se registou a epidemia de febre amarela com 1.392.051 casos.

Entretanto, a governante considera as províncias de Luanda, Benguela, Bié, Lunda Sul, Lunda Norte, Bengo e Huambo, como sendo as endémicas.

Os dados foram apresentados durante o encontro metodológico sobre Malária, em que participam mais de 300 técnicos provenientes das 17 províncias do país.

Na ocasião, a titular da pasta do Ministério da Saúde considerou o desvio de medicamentos como “um dos males que contribuem para a deficiente distribuição dos fármacos em todo o país”.

Por outro lado, o activista social, André Augusto, aponta como causas dos actuais níveis de prevalência de malária no país “o fraco controlo dos fundos alocados ao sector e a falta de humanização dos serviços de saúde”.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form