Entrevista
Eleições

Cláudio Silva: “O MPLA vai ganhar na mesma, mas não creio que venha a ter maioria absoluta, com ou sem batota”

Cláudio Silva: “O MPLA vai ganhar na mesma, mas não creio que venha a ter maioria absoluta, com ou sem batota”
Foto por:
vídeo por:
DR

Cláudio Silva é voluntário da Jiku, plataforma de monitoria eleitoral, afecta à ONG Handeka, e falou ao ONgoma News sobre o tratamento parcial que os meios de comunicação social públicos deram aos partidos políticos angolanos ao longo do período de campanha eleitoral. Para ele, por várias razões que considera óbvias, “o MPLA vai ganhar na mesma [as eleições de 23 de Agosto]”, mas não crê que “venha a ter maioria absoluta, com ou sem batota”. No entanto, defendeu,  “uma das melhores coisas que poderia acontecer ao MPLA é estar cinco anos na oposição”, pois acha o Angola teria “uma oposição muito acutilante e vigilante em relação à governação do partido no poder, o que seria saudável para a nossa democracia”.

Quem acompanha a plataforma Jiku percebe que há uma série de irregularidades no tratamento que tem sido dado pela comunicação social pública aos partidos políticos. Acha que este facto por si só acaba por comprometer a qualidade e lisura do processo eleitoral?

Sim, acho. Nós vamos realizar as nossas quartas eleições, e estas são as terceiras eleições que tenho acompanhado com muita atenção. No passado, sempre lamentámos que a TPA não dava o mesmo tempo de antena ao partido “x” ou “y”, mas era preciso contabilizar o tempo dedicado a cada partido e compilar dados mais reais para podermos afirmar que em determinado período os partidos mereceram “x” minutos.  Isso passa uma visão muito mais interessante e mais real, do que estarmos simplesmente a reclamar da parcialidade da imprensa pública no tratamento aos partidos. Entretanto, em termos gerais, o actual processo eleitoral está cheio de irregularidades, mas não temos condições para monitorar todos os aspectos envolventes, por isso nos restringimos na avaliação do desempenho da comunicação social.

Mas um dos argumentos que têm sido apresentados por defensores da CS pública é que, por um lado, os partidos políticos comunicam mal as suas actividades, e por outro lado, se num extremo está uma comunicação social pública a favor do partido no poder [MPLA], no outro extremo estão os meios de comunicação social privados, que assumem, de forma permanente, um posicionamento crítico em relação à actual governação do país. O que é que tem a dizer sobre este argumento?

É uma equivalência falsa. Não posso comparar o Folha 8 com o Jornal de Angola. O primeiro é um jornal privado que não conta com fundos públicos, ao passo que o segundo dependente dos meus impostos enquanto contribuinte angolano, por isso está errado e é ilegal que eles façam uma cobertura claramente tendenciosa e a favor do partido no poder.  Temos a Lei Eleitoral que é muito clara em afirmar que os  meoios de comunicação pública devem dar tratamento igual aos partidos políticos. Portanto, a comparação entre meios privados num extremo e os meios públicos noutro, não acho que seja um argumento verdadeiro. O meio público não deve ser extremo, mas sim imparcial.

“Há jornais privados em Angola que se portam muito mal”

E os meios de comunicação social privados podem ser extremos?

Não é que possam ser, mas a verdade é que não somos nós os cidadãos que pagamos os salários dos jornalistas de meios de comunicação social privados, daí que não nos compete a nós monitorá-los. Continuo a defender que o jornalista tem que ser imparcial, e há jornais privados em Angola que se portam muito mal, mas o foco do Jiku são os meios públicos e os meios privados  que alcançam as massas, como é o caso da TV Zimbo, que é um meio privado, embora, tal como os bancos, se debata até que ponto é privada, em função da origem dos investimentos usados. Portanto, acho muito importante que se faça essa monitoria, pois é importante que as pessoas percebam que recebem informação de uma maneira tendenciosa e parcial.

Até que ponto é que o papel da comunicação social poderá “influenciar”, se assim se pode dizer, os resultados das eleições de quarta-feira?

Nos grandes centros urbanos, nomeadamente Luanda, Benguela e Lubango (Huíla), os cidadãos têm acesso à imprensa privada, mas os jornais privados não chegam a Luena e Saurimo, por exemplo, com a mesma frequência que nós em Luanda vemos nas ruas aos sábados. É muito mais fácil para mim, enquanto morador da cidade de Mbanza Congo, ter acesso à TV Zimbo e à TPA. Entretanto, considerando os níveis de escolaridade que ainda são baixos, é perigo os cidadãos estarem a consumir apenas a TPA e o Jornal de Angola, porque a informação passada por estes órgãos é muito tendenciosa, e não é um espelho real da vida partidária e política no país. Muitas vezes ouvimos o argumento de que a imprensa se limita apenas a cobrir os factos noticiosos, mas todos que acompanham a televisão nas últimas semanas vêm que os comícios do MPLA são transmitidos na íntegra, ao passo que as actividades dos outros partidos apenas merecem resumos ou um “meio ecrã”, mas em “mute”.

Essas são as terceiras eleições que acompanhas em Angola. Qual é a tua predisposição a todo processo e ao exercício do direito de voto, considerando que dele depende o rumo de Angola?

Eu vou votar, mas compreendo as pessoas que não vão votar porque não acreditam no processo em si, e acham que o seu voto não vai valer. Percebo este argumento, mas não concordo. Eu vou votar, mesmo sabendo que é possível que o meu voto não conte. É muito importante que nós façamos este exercício regular de votar numa democracia em construção, como é o nosso caso. Portanto, não obstante as irregularidades e ilegalidades que vemos no processo eleitoral, eu quero dar trabalho a alguém de invalidar o meu voto, se for isso que acontecer.

“Uma das melhores coisas que poderia acontecer ao MPLA é estar cinco anos na oposição”

E quais são as tuas expectativas em relação aos resultados e ao rumo que o cenário político angolano poderá tomar?

Eu acho que o MPLA vai ganhar na mesma, mas não creio que venha a ter maioria absoluta, com ou sem batota. Creio que tanto a UNITA quanto a CASA-CE vão ter uma boa percentagem de votos, gostaria que ambos tivessem mais assentos na Assembleia do que o MPLA, mas acho isso muito improvável devido às irregularidades e ilegalidades que têm sido cometidas pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE) e pela imprensa pública. Acho que as eleições continuam a ser um processo, e são de facto um processo, mas acho que o desempenho do Governo nos últimos 15 anos foi bastante negativo. Perdemos uma oportunidade de ouro de fazermos uma distribuição mais equitativa da riqueza nacional, que atingiu níveis altíssimos aos quais não voltaremos a médio prazo. Continuamos com os mesmos índices de pobreza e desenvolvimento humano que país apresentava perto do fim da guerra, e por isso faz sentido que em 2017 tenhamos muito mais contestação social, principalmente nas camadas mais jovens. E, se não for feito um bom trabalho nos próximos cinco anos, esta insatisfação vai aumentar, e quem sabe, em 2022, seja possível tirar o MPLA do poder. Uma das melhores coisas que poderia acontecer ao MPLA é estar cinco anos na oposição. Acho que teríamos uma oposição muito acutilante e vigilante em relação à governação do partido no poder, o que seria saudável para a nossa democracia. Para tal, os angolanos devem estar engajados civicamente, porque votar não é só pôr uma cruz num quadrado. É por isso que criámos o Jiku, para explicar que votar também é estar atento à legalidade do processo e às leis que regem o pleito eleitoral.

“... considerando os níveis de escolaridade que ainda são baixos, é perigo os cidadãos estarem a consumir apenas a TPA e o Jornal de Angola, porque a informação passada por estes órgãos é muito tendenciosa, e não é um espelho real da vida partidária e política no país.”

Não acha que o Jiku chega relativamente tarde?

Muito tarde. Infelizmente, nós também não somos as pessoas mais organizadas do mundo. Cada um de nós tem a sua família e emprego, e o Jiku é voluntariado. Chegou tarde, infelizmente.

Mas qual será o futuro do Jiku?

O Jiku só aparecerá em processos eleitorais, nomeadamente antes das eleições autárquicas e das eleições de 2022. Não somos necessariamente uma plataforma que sempre estará activa a 100%.

Em relação aos anos anteriores, acha que houve redução das irregularidades no processo eleitoral, de acordo com o que o Jiku consegue apurar?

Não existe vontade política para melhorar o processo. Eu estou a ler o “Livro Branco das Eleições de 2008”, e apercebi-me de que já naquela altura a sociedade civil e os observadores internacionais alertavam para vários actos de incumprimento da lei que continuam a ser vistos actualmente. Tivemos eleições em 2012, mas o comportamento foi o mesmo. Isso não é o comportamento de um partido que esteja interessado em mudar este paradigma. Creio que existe muita insegurança por parte do MPLA, devido à insatisfação popular causada pela crise e pela percepção que os angolanos têm de que a crise não foi apenas causada pela baixa do preço do petróleo no mercado internacional. Os dirigentes estão expostos a escândalos de corrupção quase semanalmente e isso afecta a reputação do partido. Portanto, a ferramenta encontrada para contrapor a crescente onde de insatisfação na sociedade é violando a lei.

“Infelizmente a nossa Polícia não tem noção do que é uma democracia plena”

E o que é que tens a dizer sobre a proibição de manifestações imposta pela Polícia Nacional?

Infelizmente a nossa Polícia não tem noção do que é uma democracia plena. Os mais-velhos dizem sempre que estamos num processo, e que não haverá melhorias do dia para a noite, mas acho que a Polícia Nacional comete inúmeros erros e não tem vontade de fazer melhor. Quando um partido político quiser manifestar-se deixam, mas o real medo está em deixar a sociedade civil manifestar-se.  A UNITA ou o MPLA podem vir manifestar-se no 1º de Maio, mas os “revus” não podem.

O teu posiciomente cívico condiciona, de algum modo, a tua actividade empresarial?

Eu acredito na sociedade civil. Acho fundamental que ela exista num país, porque, enquanto cidadão, sou livre de falar conforme eu quiser e sobre o que eu quiser. As minhas posições não podem levar-me a ser conotado como membro ou apoiante de algum partido.  Nós devíamos ter mais cidadãos qualificados apartidários, ou partidários, mas que deviam ter noção de que, quando uma coisa está errada, deve ser denunciada. Se um jovem é espancado na rua por manifestar-se, os angolanos não devem olhar para as suas escolhas partidárias, mas sim denunciar esse tipo de actos.

“Creio que existe muita insegurança por parte do MPLA, devido à insatisfação popular causada pela crise e pela percepção que os angolanos têm de que a crise não foi apenas causada pela baixa do preço do petróleo no mercado internacional. 

Mas sofres algum tipo de consequência?

Apenas familiares, mas nada de grave. Acho que sou um pouco irrelevante, porque sou apenas um jovem a falar.

Mas cem jovens irrelevantes, civicamente activos, fazem diferença num país. Não achas?

Já é diferente. Tenho amigos apartidários e amigos militantes da UNITA, e outros do MPLA, e acho que esta convivência é salutar para a sociedade. As pessoas têm direito a ter ideias diferentes, mas existem limites. Ou seja, não podemos promover uma distorção do que é ser cidadão. Com pressão ou sem pressão, é necessário falar sobre isso. Dizer que a saúde e a educação não têm qualidade não pode levar-nos a ser conotados como oposição, porque é apenas a nossa chamada de atenção como cidadãos, para que possam ser feitas melhorias.

E como empreendedor nunca teve nenhum tipo de pressão?

Não... Se calhar alguma empresa optou por não fazer negócio comigo porque não gostou da minha publicação no Facebook, mas confesso que até agora nunca notei algum tipo de represália. Entretanto, uma coisa é o meu trabalho, e a outra são as minhas opiniões cívicas e políticas sobre o país. Portanto, as pessoas têm que ser maduras o suficiente para separar as águas. Percebo que haja pessoas que têm esse previlégio de poder emitir opiniões livremente...

Enquanto empresário, quais são as suas expectativas em termos de políticas de promoção do empreendedorismo e do empresariado nacional?

O nosso ambiente de negócios tem que melhorar. O país não vai sair da crise se não forem feitas reformas estruturais. Ainda somos um país extremamente fechado em si mesmo, pouco capaz de atrair investimento externo, temos altos índices de corrupção e por isso poucos investidores estrangeiros estão interessados em fazer negócio em Angola. Como empresário, sei que somos um dos piores países do mundo para se fazer negócio. Não temos uma boa rede de distribuição de energia e água, ainda convivemos com doenças que já não existem na maioria dos países do mundo, porque ainda temos esgotos e lixo a céu aberto. Portanto, temos que melhorar significativamente o nosso ambiente social e, por arrasto, o nosso ambiente de negócios.

O combate à corrupção faz partido do discurso eleitoral dos partidos, em particular do MPLA, que governa o país desde 1975...

Sim, mas gostaria de ver acções concretas. Só no último ano, a quantidade de escândalos de corrupção que vimos altamente difundidos pela imprensa, comparada com a quantidade de julgamentos, mostra que não existe vontade de mudança. Não vi nenhum único julgamento com base nos empréstimos milionários do BESA nos desfalques do BPC... Nenhum de nós viu os culpados responsabilizados. A impunidade em Angola ainda é galopante. É por este e outros factos que Angola não tem uma boa imagem lá fora. O que o GRECIMA gasta num ano para lavar a imagem de Angola na Euronews, bastava pôr um corrupto na cadeia que o efeito seria muito melhor. Subtraiu do erário público, vai preso. Isso dá um sinal muito melhor e muito mais forte do que as propagandas que têm sido feitas em canais internacionais.

Há quem diga que a imagem que se tem de Angola lá fora acaba por ser pior do que a realidade. Concorda?

Acho que a realidade é má e não é muito difícil as pessoas acederem à informação sobre a realidade do país. Por mais que tentemos branquear a imagem do país, o que eu percebo quando viajo para fora de Angola é que as pessoas sabem que nós temos altos índices de corrupção. Não é necessário nenhum tipo de esforço para apurar dados comprometedores sobre o país.

6galeria

Sebastião Vemba

Fundador e Director Editorial do ONgoma News

Jornalista, apaixonado pela escrita, fotografia e artes visuais. Tem interesses nas novas medias, formação e desenvolvimento comunitário.

Cláudio Silva é voluntário da Jiku, plataforma de monitoria eleitoral, afecta à ONG Handeka, e falou ao ONgoma News sobre o tratamento parcial que os meios de comunicação social públicos deram aos partidos políticos angolanos ao longo do período de campanha eleitoral. Para ele, por várias razões que considera óbvias, “o MPLA vai ganhar na mesma [as eleições de 23 de Agosto]”, mas não crê que “venha a ter maioria absoluta, com ou sem batota”. No entanto, defendeu,  “uma das melhores coisas que poderia acontecer ao MPLA é estar cinco anos na oposição”, pois acha o Angola teria “uma oposição muito acutilante e vigilante em relação à governação do partido no poder, o que seria saudável para a nossa democracia”.

Quem acompanha a plataforma Jiku percebe que há uma série de irregularidades no tratamento que tem sido dado pela comunicação social pública aos partidos políticos. Acha que este facto por si só acaba por comprometer a qualidade e lisura do processo eleitoral?

Sim, acho. Nós vamos realizar as nossas quartas eleições, e estas são as terceiras eleições que tenho acompanhado com muita atenção. No passado, sempre lamentámos que a TPA não dava o mesmo tempo de antena ao partido “x” ou “y”, mas era preciso contabilizar o tempo dedicado a cada partido e compilar dados mais reais para podermos afirmar que em determinado período os partidos mereceram “x” minutos.  Isso passa uma visão muito mais interessante e mais real, do que estarmos simplesmente a reclamar da parcialidade da imprensa pública no tratamento aos partidos. Entretanto, em termos gerais, o actual processo eleitoral está cheio de irregularidades, mas não temos condições para monitorar todos os aspectos envolventes, por isso nos restringimos na avaliação do desempenho da comunicação social.

Mas um dos argumentos que têm sido apresentados por defensores da CS pública é que, por um lado, os partidos políticos comunicam mal as suas actividades, e por outro lado, se num extremo está uma comunicação social pública a favor do partido no poder [MPLA], no outro extremo estão os meios de comunicação social privados, que assumem, de forma permanente, um posicionamento crítico em relação à actual governação do país. O que é que tem a dizer sobre este argumento?

É uma equivalência falsa. Não posso comparar o Folha 8 com o Jornal de Angola. O primeiro é um jornal privado que não conta com fundos públicos, ao passo que o segundo dependente dos meus impostos enquanto contribuinte angolano, por isso está errado e é ilegal que eles façam uma cobertura claramente tendenciosa e a favor do partido no poder.  Temos a Lei Eleitoral que é muito clara em afirmar que os  meoios de comunicação pública devem dar tratamento igual aos partidos políticos. Portanto, a comparação entre meios privados num extremo e os meios públicos noutro, não acho que seja um argumento verdadeiro. O meio público não deve ser extremo, mas sim imparcial.

“Há jornais privados em Angola que se portam muito mal”

E os meios de comunicação social privados podem ser extremos?

Não é que possam ser, mas a verdade é que não somos nós os cidadãos que pagamos os salários dos jornalistas de meios de comunicação social privados, daí que não nos compete a nós monitorá-los. Continuo a defender que o jornalista tem que ser imparcial, e há jornais privados em Angola que se portam muito mal, mas o foco do Jiku são os meios públicos e os meios privados  que alcançam as massas, como é o caso da TV Zimbo, que é um meio privado, embora, tal como os bancos, se debata até que ponto é privada, em função da origem dos investimentos usados. Portanto, acho muito importante que se faça essa monitoria, pois é importante que as pessoas percebam que recebem informação de uma maneira tendenciosa e parcial.

Até que ponto é que o papel da comunicação social poderá “influenciar”, se assim se pode dizer, os resultados das eleições de quarta-feira?

Nos grandes centros urbanos, nomeadamente Luanda, Benguela e Lubango (Huíla), os cidadãos têm acesso à imprensa privada, mas os jornais privados não chegam a Luena e Saurimo, por exemplo, com a mesma frequência que nós em Luanda vemos nas ruas aos sábados. É muito mais fácil para mim, enquanto morador da cidade de Mbanza Congo, ter acesso à TV Zimbo e à TPA. Entretanto, considerando os níveis de escolaridade que ainda são baixos, é perigo os cidadãos estarem a consumir apenas a TPA e o Jornal de Angola, porque a informação passada por estes órgãos é muito tendenciosa, e não é um espelho real da vida partidária e política no país. Muitas vezes ouvimos o argumento de que a imprensa se limita apenas a cobrir os factos noticiosos, mas todos que acompanham a televisão nas últimas semanas vêm que os comícios do MPLA são transmitidos na íntegra, ao passo que as actividades dos outros partidos apenas merecem resumos ou um “meio ecrã”, mas em “mute”.

Essas são as terceiras eleições que acompanhas em Angola. Qual é a tua predisposição a todo processo e ao exercício do direito de voto, considerando que dele depende o rumo de Angola?

Eu vou votar, mas compreendo as pessoas que não vão votar porque não acreditam no processo em si, e acham que o seu voto não vai valer. Percebo este argumento, mas não concordo. Eu vou votar, mesmo sabendo que é possível que o meu voto não conte. É muito importante que nós façamos este exercício regular de votar numa democracia em construção, como é o nosso caso. Portanto, não obstante as irregularidades e ilegalidades que vemos no processo eleitoral, eu quero dar trabalho a alguém de invalidar o meu voto, se for isso que acontecer.

“Uma das melhores coisas que poderia acontecer ao MPLA é estar cinco anos na oposição”

E quais são as tuas expectativas em relação aos resultados e ao rumo que o cenário político angolano poderá tomar?

Eu acho que o MPLA vai ganhar na mesma, mas não creio que venha a ter maioria absoluta, com ou sem batota. Creio que tanto a UNITA quanto a CASA-CE vão ter uma boa percentagem de votos, gostaria que ambos tivessem mais assentos na Assembleia do que o MPLA, mas acho isso muito improvável devido às irregularidades e ilegalidades que têm sido cometidas pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE) e pela imprensa pública. Acho que as eleições continuam a ser um processo, e são de facto um processo, mas acho que o desempenho do Governo nos últimos 15 anos foi bastante negativo. Perdemos uma oportunidade de ouro de fazermos uma distribuição mais equitativa da riqueza nacional, que atingiu níveis altíssimos aos quais não voltaremos a médio prazo. Continuamos com os mesmos índices de pobreza e desenvolvimento humano que país apresentava perto do fim da guerra, e por isso faz sentido que em 2017 tenhamos muito mais contestação social, principalmente nas camadas mais jovens. E, se não for feito um bom trabalho nos próximos cinco anos, esta insatisfação vai aumentar, e quem sabe, em 2022, seja possível tirar o MPLA do poder. Uma das melhores coisas que poderia acontecer ao MPLA é estar cinco anos na oposição. Acho que teríamos uma oposição muito acutilante e vigilante em relação à governação do partido no poder, o que seria saudável para a nossa democracia. Para tal, os angolanos devem estar engajados civicamente, porque votar não é só pôr uma cruz num quadrado. É por isso que criámos o Jiku, para explicar que votar também é estar atento à legalidade do processo e às leis que regem o pleito eleitoral.

“... considerando os níveis de escolaridade que ainda são baixos, é perigo os cidadãos estarem a consumir apenas a TPA e o Jornal de Angola, porque a informação passada por estes órgãos é muito tendenciosa, e não é um espelho real da vida partidária e política no país.”

Não acha que o Jiku chega relativamente tarde?

Muito tarde. Infelizmente, nós também não somos as pessoas mais organizadas do mundo. Cada um de nós tem a sua família e emprego, e o Jiku é voluntariado. Chegou tarde, infelizmente.

Mas qual será o futuro do Jiku?

O Jiku só aparecerá em processos eleitorais, nomeadamente antes das eleições autárquicas e das eleições de 2022. Não somos necessariamente uma plataforma que sempre estará activa a 100%.

Em relação aos anos anteriores, acha que houve redução das irregularidades no processo eleitoral, de acordo com o que o Jiku consegue apurar?

Não existe vontade política para melhorar o processo. Eu estou a ler o “Livro Branco das Eleições de 2008”, e apercebi-me de que já naquela altura a sociedade civil e os observadores internacionais alertavam para vários actos de incumprimento da lei que continuam a ser vistos actualmente. Tivemos eleições em 2012, mas o comportamento foi o mesmo. Isso não é o comportamento de um partido que esteja interessado em mudar este paradigma. Creio que existe muita insegurança por parte do MPLA, devido à insatisfação popular causada pela crise e pela percepção que os angolanos têm de que a crise não foi apenas causada pela baixa do preço do petróleo no mercado internacional. Os dirigentes estão expostos a escândalos de corrupção quase semanalmente e isso afecta a reputação do partido. Portanto, a ferramenta encontrada para contrapor a crescente onde de insatisfação na sociedade é violando a lei.

“Infelizmente a nossa Polícia não tem noção do que é uma democracia plena”

E o que é que tens a dizer sobre a proibição de manifestações imposta pela Polícia Nacional?

Infelizmente a nossa Polícia não tem noção do que é uma democracia plena. Os mais-velhos dizem sempre que estamos num processo, e que não haverá melhorias do dia para a noite, mas acho que a Polícia Nacional comete inúmeros erros e não tem vontade de fazer melhor. Quando um partido político quiser manifestar-se deixam, mas o real medo está em deixar a sociedade civil manifestar-se.  A UNITA ou o MPLA podem vir manifestar-se no 1º de Maio, mas os “revus” não podem.

O teu posiciomente cívico condiciona, de algum modo, a tua actividade empresarial?

Eu acredito na sociedade civil. Acho fundamental que ela exista num país, porque, enquanto cidadão, sou livre de falar conforme eu quiser e sobre o que eu quiser. As minhas posições não podem levar-me a ser conotado como membro ou apoiante de algum partido.  Nós devíamos ter mais cidadãos qualificados apartidários, ou partidários, mas que deviam ter noção de que, quando uma coisa está errada, deve ser denunciada. Se um jovem é espancado na rua por manifestar-se, os angolanos não devem olhar para as suas escolhas partidárias, mas sim denunciar esse tipo de actos.

“Creio que existe muita insegurança por parte do MPLA, devido à insatisfação popular causada pela crise e pela percepção que os angolanos têm de que a crise não foi apenas causada pela baixa do preço do petróleo no mercado internacional. 

Mas sofres algum tipo de consequência?

Apenas familiares, mas nada de grave. Acho que sou um pouco irrelevante, porque sou apenas um jovem a falar.

Mas cem jovens irrelevantes, civicamente activos, fazem diferença num país. Não achas?

Já é diferente. Tenho amigos apartidários e amigos militantes da UNITA, e outros do MPLA, e acho que esta convivência é salutar para a sociedade. As pessoas têm direito a ter ideias diferentes, mas existem limites. Ou seja, não podemos promover uma distorção do que é ser cidadão. Com pressão ou sem pressão, é necessário falar sobre isso. Dizer que a saúde e a educação não têm qualidade não pode levar-nos a ser conotados como oposição, porque é apenas a nossa chamada de atenção como cidadãos, para que possam ser feitas melhorias.

E como empreendedor nunca teve nenhum tipo de pressão?

Não... Se calhar alguma empresa optou por não fazer negócio comigo porque não gostou da minha publicação no Facebook, mas confesso que até agora nunca notei algum tipo de represália. Entretanto, uma coisa é o meu trabalho, e a outra são as minhas opiniões cívicas e políticas sobre o país. Portanto, as pessoas têm que ser maduras o suficiente para separar as águas. Percebo que haja pessoas que têm esse previlégio de poder emitir opiniões livremente...

Enquanto empresário, quais são as suas expectativas em termos de políticas de promoção do empreendedorismo e do empresariado nacional?

O nosso ambiente de negócios tem que melhorar. O país não vai sair da crise se não forem feitas reformas estruturais. Ainda somos um país extremamente fechado em si mesmo, pouco capaz de atrair investimento externo, temos altos índices de corrupção e por isso poucos investidores estrangeiros estão interessados em fazer negócio em Angola. Como empresário, sei que somos um dos piores países do mundo para se fazer negócio. Não temos uma boa rede de distribuição de energia e água, ainda convivemos com doenças que já não existem na maioria dos países do mundo, porque ainda temos esgotos e lixo a céu aberto. Portanto, temos que melhorar significativamente o nosso ambiente social e, por arrasto, o nosso ambiente de negócios.

O combate à corrupção faz partido do discurso eleitoral dos partidos, em particular do MPLA, que governa o país desde 1975...

Sim, mas gostaria de ver acções concretas. Só no último ano, a quantidade de escândalos de corrupção que vimos altamente difundidos pela imprensa, comparada com a quantidade de julgamentos, mostra que não existe vontade de mudança. Não vi nenhum único julgamento com base nos empréstimos milionários do BESA nos desfalques do BPC... Nenhum de nós viu os culpados responsabilizados. A impunidade em Angola ainda é galopante. É por este e outros factos que Angola não tem uma boa imagem lá fora. O que o GRECIMA gasta num ano para lavar a imagem de Angola na Euronews, bastava pôr um corrupto na cadeia que o efeito seria muito melhor. Subtraiu do erário público, vai preso. Isso dá um sinal muito melhor e muito mais forte do que as propagandas que têm sido feitas em canais internacionais.

Há quem diga que a imagem que se tem de Angola lá fora acaba por ser pior do que a realidade. Concorda?

Acho que a realidade é má e não é muito difícil as pessoas acederem à informação sobre a realidade do país. Por mais que tentemos branquear a imagem do país, o que eu percebo quando viajo para fora de Angola é que as pessoas sabem que nós temos altos índices de corrupção. Não é necessário nenhum tipo de esforço para apurar dados comprometedores sobre o país.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form