Actualidade
Economia

Biocom e FGC trabalham para o desenvolvimento das comunidades

Biocom e FGC trabalham para o desenvolvimento das comunidades
Foto por:
vídeo por:
Cedidas

No âmbito das linhas de garantias públicas, a Biocom e o Fundo de Garantia de Crédito pretendem trabalhar em parceria para estabelecerem um quadro de cooperação para o apoio às empresas e empreendedores singulares, e criarem redes de serviços diversos que promovam o desenvolvimento das comunidades e a melhoria das condições de vida das populações.

Essa intenção é saída do memorando de entendimento assinado ontem pelas duas instituições, que, no âmbito do programa de fomento à produção nacional e alinhada com os objectivos do Executivo angolano de Apoio à Diversificação das Exportações e Substituição da Importações (PRODESI), visa facilitar o acesso a garantias de crédito por parte das micro, pequenas e médias empresas que queiram e possam dedicar-se ao cultivo da cana-de-açúcar.

O documento foi assinado pelo director-geral da Biocom, Uirá Coelho Ribeiro, e pelo Presidente do Conselho de Administração do FGC, Luzayadio Simba.

Entretanto, para Otília Viegas, directora-geral adjunta da Biocom, esta assinatura demonstra claramente que esta é uma das empresas estratégicas do país para criação de emprego e para o desenvolvimento social e económico da província de Malanje, em particular. “Continuamos focados no desenvolvimento económico e social locais, na criação de emprego, na formação dos jovens da província, assim como no incremento do bem-estar da população das nossas comunidades, através da realização de actividades relevantes de responsabilidade social”, sublinha a responsável.

Na opinião de Luzayadio Simba, PCA do FGC, o memorando tem como objectivo fomentar a produção da cana-de-açúcar na circunscrição de Capanda, província de Malanje, bem como estimular a produção interna e dinamizar a produção e comercialização de açúcar, etanol e energia eléctrica a partir da sua biomassa. “O grande objectivo é estarmos em consonância com o Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (PRODESI), contribuindo para o aumento do plantio e colheita de cana-de-açúcar, que depois pode ser integrada na produção da Biocom e aumentar a disponibilidade de oferta interna para o mercado”, esclareceu o dirigente, no comunicado que recebemos.

Instalada no Polo Agro-industrial de Capanda (PAC), na província de Malanje, Município de Cacuso, a Biocom tem uma capacidade instalada para produzir 2,2 milhões de toneladas de cana-de-açúcar numa área de 40 mil hectares, 250 mil toneladas de açúcar cristal branco, 37 mil metros cúbicos de álcool neutro e para fornecer ao país um adicional de 136 mil megawatts de energia eléctrica limpa e renovável.

Actualmente, a empresa emprega mais 3400 colaboradores, maioritariamente oriundos da província de Malanje.

Destaque

No items found.

6galeria

Redacção

No âmbito das linhas de garantias públicas, a Biocom e o Fundo de Garantia de Crédito pretendem trabalhar em parceria para estabelecerem um quadro de cooperação para o apoio às empresas e empreendedores singulares, e criarem redes de serviços diversos que promovam o desenvolvimento das comunidades e a melhoria das condições de vida das populações.

Essa intenção é saída do memorando de entendimento assinado ontem pelas duas instituições, que, no âmbito do programa de fomento à produção nacional e alinhada com os objectivos do Executivo angolano de Apoio à Diversificação das Exportações e Substituição da Importações (PRODESI), visa facilitar o acesso a garantias de crédito por parte das micro, pequenas e médias empresas que queiram e possam dedicar-se ao cultivo da cana-de-açúcar.

O documento foi assinado pelo director-geral da Biocom, Uirá Coelho Ribeiro, e pelo Presidente do Conselho de Administração do FGC, Luzayadio Simba.

Entretanto, para Otília Viegas, directora-geral adjunta da Biocom, esta assinatura demonstra claramente que esta é uma das empresas estratégicas do país para criação de emprego e para o desenvolvimento social e económico da província de Malanje, em particular. “Continuamos focados no desenvolvimento económico e social locais, na criação de emprego, na formação dos jovens da província, assim como no incremento do bem-estar da população das nossas comunidades, através da realização de actividades relevantes de responsabilidade social”, sublinha a responsável.

Na opinião de Luzayadio Simba, PCA do FGC, o memorando tem como objectivo fomentar a produção da cana-de-açúcar na circunscrição de Capanda, província de Malanje, bem como estimular a produção interna e dinamizar a produção e comercialização de açúcar, etanol e energia eléctrica a partir da sua biomassa. “O grande objectivo é estarmos em consonância com o Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (PRODESI), contribuindo para o aumento do plantio e colheita de cana-de-açúcar, que depois pode ser integrada na produção da Biocom e aumentar a disponibilidade de oferta interna para o mercado”, esclareceu o dirigente, no comunicado que recebemos.

Instalada no Polo Agro-industrial de Capanda (PAC), na província de Malanje, Município de Cacuso, a Biocom tem uma capacidade instalada para produzir 2,2 milhões de toneladas de cana-de-açúcar numa área de 40 mil hectares, 250 mil toneladas de açúcar cristal branco, 37 mil metros cúbicos de álcool neutro e para fornecer ao país um adicional de 136 mil megawatts de energia eléctrica limpa e renovável.

Actualmente, a empresa emprega mais 3400 colaboradores, maioritariamente oriundos da província de Malanje.

6galeria

Artigos relacionados

No items found.
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form