Actualidade
Banca

Apenas um terço da população angolana tem acesso aos bancos, declara governador do BNA

Apenas um terço da população angolana tem acesso aos bancos, declara governador do BNA
Foto por:
vídeo por:
DR

A taxa de bancarização angolana é de cerca de 30 por cento, baixa, se comparada com a média da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), com perspectivas para que ascenda a um mínimo de 50 por cento até 2020, declarou ontem o governador do Banco Nacional de Angola (BNA).

José de Lima Massano afirmou que os níveis de bancarização próximos dos 30 por cento ainda são considerados baixos, comparados com a região da SADC, havendo assim um trabalho intenso para desenvolver, no sentido de trazer mais angolanos para o sistema financeiro, particularmente para os serviços bancários.

O gestor, que falou por ocasião duma conferência internacional consagrada ao “Papel das Tecnologias na Inclusão Financeira”, apontou, entretanto, esforços para impulsionar a taxa de bancarização do país, instrumentos como o Programa de Inclusão Financeira, conduzido pelo BNA desde há oito anos, e o Projecto Bankita, que resultou em 710 mil contas activas.

Números apresentados pelo governador apontam para um elevado nível de concentração do acesso à banca, com cerca de 94 por cento do crédito concedido à economia a ocorrer em Luanda, o mesmo que acontece com perto de 95 por cento dos depósitos.

Cinquenta e um por cento da rede bancária está em Luanda, onde estão implantados 52 por cento das caixas automáticas e 72 por cento dos terminais de pagamento automático.

De acordo com o Jornal de Angola, as medidas preconizadas pelo BNA para dinamizar o processo de inclusão financeira incluem os pagamentos móveis e os digitais, para o que está em curso, no banco central, uma revisão da Lei do Sistema do Pagamentos, um processo que conta com o apoio do Banco Mundial para elevar a taxa de bancarização em 30 por cento até ao próximo ano.

6galeria

Redacção

A taxa de bancarização angolana é de cerca de 30 por cento, baixa, se comparada com a média da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), com perspectivas para que ascenda a um mínimo de 50 por cento até 2020, declarou ontem o governador do Banco Nacional de Angola (BNA).

José de Lima Massano afirmou que os níveis de bancarização próximos dos 30 por cento ainda são considerados baixos, comparados com a região da SADC, havendo assim um trabalho intenso para desenvolver, no sentido de trazer mais angolanos para o sistema financeiro, particularmente para os serviços bancários.

O gestor, que falou por ocasião duma conferência internacional consagrada ao “Papel das Tecnologias na Inclusão Financeira”, apontou, entretanto, esforços para impulsionar a taxa de bancarização do país, instrumentos como o Programa de Inclusão Financeira, conduzido pelo BNA desde há oito anos, e o Projecto Bankita, que resultou em 710 mil contas activas.

Números apresentados pelo governador apontam para um elevado nível de concentração do acesso à banca, com cerca de 94 por cento do crédito concedido à economia a ocorrer em Luanda, o mesmo que acontece com perto de 95 por cento dos depósitos.

Cinquenta e um por cento da rede bancária está em Luanda, onde estão implantados 52 por cento das caixas automáticas e 72 por cento dos terminais de pagamento automático.

De acordo com o Jornal de Angola, as medidas preconizadas pelo BNA para dinamizar o processo de inclusão financeira incluem os pagamentos móveis e os digitais, para o que está em curso, no banco central, uma revisão da Lei do Sistema do Pagamentos, um processo que conta com o apoio do Banco Mundial para elevar a taxa de bancarização em 30 por cento até ao próximo ano.

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form