Actualidade
Política

Angola perdeu 12 mil milhões de dólares das reservas internacionais em três anos

Angola perdeu 12 mil milhões de dólares das reservas internacionais em três anos
Foto por:
vídeo por:
DR

Angola perdeu 12 mil milhões de dólares das suas reservas internacionais líquidas em três anos, ao caírem de 27,2 mil milhões de dólares em 2014, para 15 mil milhões em 2017, revelou ontem, em Luanda, o ministro de Estado do Desenvolvimento Económico e Social.

Manuel Nunes Júnior disse, numa conferência de imprensa de balanço à aplicação do Programa de Estabilização Macroeconómica (PEM) no terceiro trimestre, que só de Dezembro de 2016 ao mesmo mês de 2017, as Reservas Internacionais Líquidas (RIL) baixaram em cerca de 7,3 mil milhões de dólares, passando, no período de um ano, de 20,8 mil milhões para 13,5 mil milhões.

De acordo com o artigo noticiado pelo Jornal de Angola, as RIL estão agora situadas em 11,6 mil milhões de dólares, o que significa que, desde o início do ano, houve um decréscimo de apenas 1,9 mil milhões de dólares. O ministro alertou, para compreender estes números, que apesar das reservas internacionais serem importantes para a credibilidade externa do país, não devem ser tidas como recursos do Tesouro, uma vez que não podem ser utilizadas para fazer face a gastos correntes do Estado, como o pagamento de salários.

Estes, os recursos do Tesouro, estavam no seu nível mais baixo dos últimos anos em Setembro de 2017, quando o Executivo iniciou as funções, situando-se em  6,98 mil milhões de dólares, o que compara com os 15,86 mil milhões de 2013.

O ministro de Estado do Desenvolvimento Económico e Social notou que, com as reservas do Tesouro num nível tão baixo, o Governo teve de enfrentar uma situação caracterizada por um alto endividamento público e fracos recursos financeiros, mas que, mesmo assim, foi possível garantir o pagamento dos salários da função pública, fazer investimentos estruturantes e garantir a compra dos bens e serviços essenciais para o funcionamento do Estado.


6galeria

Redacção

Angola perdeu 12 mil milhões de dólares das suas reservas internacionais líquidas em três anos, ao caírem de 27,2 mil milhões de dólares em 2014, para 15 mil milhões em 2017, revelou ontem, em Luanda, o ministro de Estado do Desenvolvimento Económico e Social.

Manuel Nunes Júnior disse, numa conferência de imprensa de balanço à aplicação do Programa de Estabilização Macroeconómica (PEM) no terceiro trimestre, que só de Dezembro de 2016 ao mesmo mês de 2017, as Reservas Internacionais Líquidas (RIL) baixaram em cerca de 7,3 mil milhões de dólares, passando, no período de um ano, de 20,8 mil milhões para 13,5 mil milhões.

De acordo com o artigo noticiado pelo Jornal de Angola, as RIL estão agora situadas em 11,6 mil milhões de dólares, o que significa que, desde o início do ano, houve um decréscimo de apenas 1,9 mil milhões de dólares. O ministro alertou, para compreender estes números, que apesar das reservas internacionais serem importantes para a credibilidade externa do país, não devem ser tidas como recursos do Tesouro, uma vez que não podem ser utilizadas para fazer face a gastos correntes do Estado, como o pagamento de salários.

Estes, os recursos do Tesouro, estavam no seu nível mais baixo dos últimos anos em Setembro de 2017, quando o Executivo iniciou as funções, situando-se em  6,98 mil milhões de dólares, o que compara com os 15,86 mil milhões de 2013.

O ministro de Estado do Desenvolvimento Económico e Social notou que, com as reservas do Tesouro num nível tão baixo, o Governo teve de enfrentar uma situação caracterizada por um alto endividamento público e fracos recursos financeiros, mas que, mesmo assim, foi possível garantir o pagamento dos salários da função pública, fazer investimentos estruturantes e garantir a compra dos bens e serviços essenciais para o funcionamento do Estado.


Redacção

Licenciado em Gestão e Administração pela Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto, Félix Abias é um jornalista angolano que explora temas ligados à política e economia local. Actualmente trabalha para o Grupo Média Rumo

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form