Actualidade
Acordo

Angola assina tratado para eliminar pesca ilegal

Angola assina tratado para eliminar pesca ilegal
Foto por:
vídeo por:
Widralino

Angola assinou recentemente o tratado sobre pesca legal e sustentável das Nações Unidas, integrando o Acordo sobre Medidas do Estado do Porto, com o intuito de prevenir, dissuadir e eliminar a pesca ilegal, não declarada e não regulamentada.

Angola faz parte dos novos integrantes do acordo, juntamente com a Eritreia, Marrocos e a Nigéria.

Segundo um comunicado da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), as nações integrantes impedem a entrada de navios estrangeiros que praticam ou apoiam o tipo de actividade ilegal nos seus portos.

O documento, a que a Lusa teve acesso, revela que a adesão dos quatros países africanos "elevou para 60% o total de países portuários comprometidos com o acordo, instrumento de cumprimento obrigatório, em favor da pesca mais sustentável".

Para o director-geral da organização, Qu Dongyu, o aumento da procura do consumidor e a transformação dos sistemas agroalimentares na pesca e na aquicultura levaram a produção global de peixes aos níveis mais altos observados actualmente".

"Agora é amplo o reconhecimento de que é preciso intensificar a luta contra a pesca danosa", frisou o responsável, que considerou "encorajador" o apoio dos países aos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), "num momento em que cerca de um quinto de peixes capturados em todo o mundo, a cada ano, tem origem na pesca ilegal, não declarada e não regulamentada".

Por sua vez, o director da Divisão de Pesca e Aquicultura da FAO, Manuel Barrange, salientou que os esforços nacionais, regionais e globais para alcançar a pesca sustentável "também são afectados", defendendo que a "eliminação de todo o tipo de actividade ilegal é fundamental" para alcançar os ODS.

Como refere ainda a nota, "a recomendação é que o controlo portuário seja mais apertado e incentive uma troca de informações através da implementação do Acordo sobre Medidas do Estado do Porto".

Destaque

No items found.

6galeria

Redacção

Angola assinou recentemente o tratado sobre pesca legal e sustentável das Nações Unidas, integrando o Acordo sobre Medidas do Estado do Porto, com o intuito de prevenir, dissuadir e eliminar a pesca ilegal, não declarada e não regulamentada.

Angola faz parte dos novos integrantes do acordo, juntamente com a Eritreia, Marrocos e a Nigéria.

Segundo um comunicado da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), as nações integrantes impedem a entrada de navios estrangeiros que praticam ou apoiam o tipo de actividade ilegal nos seus portos.

O documento, a que a Lusa teve acesso, revela que a adesão dos quatros países africanos "elevou para 60% o total de países portuários comprometidos com o acordo, instrumento de cumprimento obrigatório, em favor da pesca mais sustentável".

Para o director-geral da organização, Qu Dongyu, o aumento da procura do consumidor e a transformação dos sistemas agroalimentares na pesca e na aquicultura levaram a produção global de peixes aos níveis mais altos observados actualmente".

"Agora é amplo o reconhecimento de que é preciso intensificar a luta contra a pesca danosa", frisou o responsável, que considerou "encorajador" o apoio dos países aos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), "num momento em que cerca de um quinto de peixes capturados em todo o mundo, a cada ano, tem origem na pesca ilegal, não declarada e não regulamentada".

Por sua vez, o director da Divisão de Pesca e Aquicultura da FAO, Manuel Barrange, salientou que os esforços nacionais, regionais e globais para alcançar a pesca sustentável "também são afectados", defendendo que a "eliminação de todo o tipo de actividade ilegal é fundamental" para alcançar os ODS.

Como refere ainda a nota, "a recomendação é que o controlo portuário seja mais apertado e incentive uma troca de informações através da implementação do Acordo sobre Medidas do Estado do Porto".

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form