Actualidade
Estatística

ANASO contraria Governo sobre taxa de prevalência do HIV em Angola

ANASO contraria Governo sobre taxa de prevalência do HIV em Angola
Foto por:
vídeo por:
Rede Angola

A presidente da Rede Angolana das Organizações de Serviços de Sida (ANASO), Teresa Cohen, rejeitou, em Luanda, durante a cerimónia de abertura de um seminário sobre liderança e gestão de projectos para as organizações da sociedade civil em Angola, que a taxa de prevalência da Sida no país seja apenas 2,1%, conforme estimativa das autoridades governamentais, aludindo à mortalidade que se regista, informou a Lusa na quarta-feira.

“Porque nós sabemos que morrem muitas pessoas em Angola com o Sida e nós ainda não somos capazes de chegar aos sítios mais recônditos do país para o diagnóstico, aí onde a promiscuidade sexual existe”, referiu a responsável.

No evento, organizado pela ANASO, a responsável exortou o empenho das organizações da sociedade civil “para que a taxa de prevalência de Angola seja verdadeira”.

O Instituto Nacional de Luta contra a Sida estima que cerca de 300.000 pessoas estejam a viver com o HIV entre homens, mulheres e crianças numa taxa de prevalência de 2,1 por cento da população.

A ANASO, porém, estima que a epidemia afectou já cerca de meio milhão de pessoas, sendo que apenas 215.000 estão a ser acompanhadas e apenas 78.000 estão a beneficiar de terapia anti-retroviral.

Teresa cohen disse estar “muitas vezes animada e outras, desiludida” com os resultados das acções em torno do combate do HIV/Sida em Angola, pelo facto de “esperar muito” da Comissão Nacional de Luta Contra a Sida e a lei da Sida, tendo ainda lamentado o facto de, passados mais de 20 anos de actividade, a ANASO não ter sido reconhecida com o estatuto de instituição de utilidade pública.

“Desde que começamos a trabalhar muitas outras instituições que do meu ponto-de-vista não têm tanta força social e política já são de utilidade pública e têm o apoio do Governo. A ANASO não é até hoje reconhecida como instituição de utilidade pública, por este facto nos socorremos dos doadores”, concluiu.

 

6galeria

Redacção

A presidente da Rede Angolana das Organizações de Serviços de Sida (ANASO), Teresa Cohen, rejeitou, em Luanda, durante a cerimónia de abertura de um seminário sobre liderança e gestão de projectos para as organizações da sociedade civil em Angola, que a taxa de prevalência da Sida no país seja apenas 2,1%, conforme estimativa das autoridades governamentais, aludindo à mortalidade que se regista, informou a Lusa na quarta-feira.

“Porque nós sabemos que morrem muitas pessoas em Angola com o Sida e nós ainda não somos capazes de chegar aos sítios mais recônditos do país para o diagnóstico, aí onde a promiscuidade sexual existe”, referiu a responsável.

No evento, organizado pela ANASO, a responsável exortou o empenho das organizações da sociedade civil “para que a taxa de prevalência de Angola seja verdadeira”.

O Instituto Nacional de Luta contra a Sida estima que cerca de 300.000 pessoas estejam a viver com o HIV entre homens, mulheres e crianças numa taxa de prevalência de 2,1 por cento da população.

A ANASO, porém, estima que a epidemia afectou já cerca de meio milhão de pessoas, sendo que apenas 215.000 estão a ser acompanhadas e apenas 78.000 estão a beneficiar de terapia anti-retroviral.

Teresa cohen disse estar “muitas vezes animada e outras, desiludida” com os resultados das acções em torno do combate do HIV/Sida em Angola, pelo facto de “esperar muito” da Comissão Nacional de Luta Contra a Sida e a lei da Sida, tendo ainda lamentado o facto de, passados mais de 20 anos de actividade, a ANASO não ter sido reconhecida com o estatuto de instituição de utilidade pública.

“Desde que começamos a trabalhar muitas outras instituições que do meu ponto-de-vista não têm tanta força social e política já são de utilidade pública e têm o apoio do Governo. A ANASO não é até hoje reconhecida como instituição de utilidade pública, por este facto nos socorremos dos doadores”, concluiu.

 

6galeria

Artigos relacionados

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form